Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Macron continua a liderar as intenções de voto em França

IAN LANGSDON/EPA

Candidato centrista à eleição presidencial mantém 26% das intenções de voto, mais 1% que a sua concorrente direta Marine Le Pen. O candidato da extrema-esquerda Jean-Luc Melenchon ultrapassou o socialista Benoit Hamon

O centrista Emmanuel Macron é apontado como o vencedor da primeira volta das presidenciais francesas, a 23 de abril, batendo a candidata da extrema-direita Marine Le Pen por apenas um ponto percentual, de acordo com uma sondagem divulgada esta quinta-feira.

Macron soma 26% das intenções de voto, com Le Pen logo atrás com 25%, revela a pesquisa feita pela Harris Interactive para a France Televisions.

Os resultados dos dois candidatos mantêm-se inalterados em relação à última sondagem, realizada há duas semanas, antes dos debates televisivos em que participaram os principais nomes na corrida ao Eliseu.

São boas notícias para Emmanuel Macron, que vem somando apoios junto do Governo francês. Depois de a ministra da Biodiversidade Barbara Pompili ter anunciado que votará nele, no início desta semana, outros dois elementos do executivo seguiram-lhe o exemplo, tornando pública a sua preferência: o ministro da Defesa Jean-Yves Le Drian e o secretário de Estado do Desporto Thierry Braillard.

Quanto aos restantes candidatos, e sem grande surpresa, o conservador François Fillon desceu nas intenções de voto – de 20% para 18% – enquanto luta para tentar conter os danos provocados pelos escândalos financeiros que o atingiram durante a campanha.

Na pesquisa realizada a 21 e 22 de março e a que responderam 6383 eleitores, o candidato da extrema-esquerda Jean-Luc Melenchon ultrapassou pela primeira vez a pontuação do candidato socialista, ao conseguir 13,5%, contra os 12,5% de Benoit Hamon .

  • Três horas e vinte sem falar do que toda a gente fala

    Em França, os cinco “principais” candidatos oficiais às presidenciais do próximo mês participaram no longo debate na TV. Mas apenas o “esquerdista” Jean-Luc Mélenchon ousou falar, e levemente, no tema que domina as eleições, os empregos “fictícios” da família e dos adjuntos dos candidatos François Fillon e Marine le Pen. Por que razão? Porque o PS também tem um problema idêntico

  • Presidenciais francesas. Macron soma apoio de peso

    O socialista Bertrand Delanoe, ex-presidente da Câmara de Paris, tornou público que está ao lado do candidato liberal independente, que considera o melhor colocado para impedir Marine Le Pen de chegar ao Eliseu