Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ex-deputado russo assassinado em Kiev

GETTY

Denis Voronenkov foi assassinado à entrada de um hotel de luxo em Kiev. Ex-deputado russo tinha-se mudado para Kiev, adquirindo a nacionalidade ucraniana

O antigo deputado russo Denis Voronenkov foi atingido a tiro e morreu em Kiev, à entrada de um hotel de luxo na capital da Ucrânia, anunciou esta quinta-feira a polícia local.

Voronenkov, de 45 anos, era um antigo membro da fação comunista na câmara baixa do Parlamento russo e tinha-se mudado para Kiev, tendo recebido nacionalidade ucraniana, e renunciou a ser cidadão russo.

O antigo deputado deixou a Rússia acompanhado da sua mulher, a cantora Maria Maksakova, que é também deputada, e foi para a Ucrânia devido à perseguição pelas agências de segurança russas de que dizia ser alvo.

Um antigo deputado russo perseguido por suspeita de fraude foi esta quinta-feira morto em pleno dia no centro da capital ucraniana, no que Kiev classificou como um ato de "terrorismo de Estado".

O chefe da polícia de Kiev, Andriy Kryshchenko, confirmou em declarações às televisões que "a identidade do homem morto foi estabelecida" como sendo a do antigo deputado russo comunista, Denis Voronenkov.

A polícia ucraniana está a tentar confirmar a possibilidade de o antigo deputado ter sido vítima de um assassino profissional, "tendo em conta as suas atividades e como o crime foi executado".

O Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, acusou a Rússia pelo que diz ter sido um "assassinato planeado", afirmando que a morte de Denis Voronenkov foi "um ato de terrorismo de Estado", nos termos utilizados pelo seu porta-voz, Svyatoslav Tsegolko, na rede social Facebook, citados pela agência France-Presse.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, desmentiu com veemência as acusações de Kiev, considerando-as "absurdas" em comentários às agências de notícias russas, ainda de acordo com a AFP.

O guarda-costas de Voronenkov e o atirador ficaram ambos feridos no tiroteio e receberam tratamento hospitalar, indicou Andriy Kryshchenko, acrescentando que a identidade do atirador não foi ainda estabelecida.

O tiroteio ocorreu pelas 11h30 (9h30 TMG) no centro da capital ucraniana, de acordo com o chefe da polícia.

Denis Voronenkov e a sua mulher, Maria Maksakova, também antiga deputada russa e conhecida cantora de ópera, deixaram a Rússia para viver na Ucrânia no ano passado.

O antigo deputado recebeu a cidadania ucraniana em dezembro, depois de ter testemunhado contra o antigo Presidente ucraniano, Viktor Ianukovich, afastado em fevereiro de 2014, na sequência de uma onda de protestos pró-ocidentais.

Voronenkov afirmou aos órgãos de comunicação social ucranianos em fevereiro que recebeu ameaças repetidas dos serviços de segurança russos.