Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente do Egito vai a Washington encontrar-se com Trump

Em setembro, dois meses antes das eleições presidenciais norte-americanas, o então candidato republicano encontrou-se com o Presidente egípcio (direita) em Nova Iorque

DOMINICK REUTER

Fonte da Casa Branca confirma visita oficial de Abdel Fattah al-Sisi à capital norte-americana, já marcada para 3 de abril

O Presidente norte-americano convidou o homólogo egípcio Abdel Fattah al-Sisi para um encontro oficial que vai decorrer na Casa Branca a 3 de abril, informou este domingo fonte da administração Trump. A visita oficial do líder egípcio segue-se a um telefonema entre ambos no final de janeiro, três dias depois de Donald Trump ter tomado posse como 45.º Presidente dos EUA, no qual os líderes discutiram como fomentar a "luta contra o terrorismo" e as relações bilaterais.

Antes disso, Trump e Sisi já se tinham encontrado a 19 de setembro, um mês e meio antes das presidenciais norte-americanas de 8 de novembro. O encontro de Sisi com o então candidato republicano aconteceu num hotel de Nova Iorque, à margem da assembleia-geral da ONU, um dia depois de o líder egípcio ter declarado que Trump seria "sem dúvida" um Presidente forte. "Achei que foi [um encontro] muito produtivo, ele é um tipo fantástico", disse na altura Trump, em entrevista à Fox News. "Achei que foi uma ótima reunião. Estivemos reunidos durante muito tempo e houve uma boa química. Uma pessoa sabe quando tem boa química com os outros, houve uma sensação fantástica entre nós."

Sisi foi eleito Presidente do Egito em 2014, um ano depois de, enquanto comandante das Forças Armadas, ter liderado o movimento que levou à deposição de Mohammed Mursi, o candidato da Irmandade Muçulmana que venceu as primeiras eleições livres do país depois de 30 anos de ditadura, convocadas no rescaldo da queda de Hosni Mubarak no âmbito da chamada Primavera Árabe. A forma como chegou ao poder ensombrou as relações oficiais do seu governo com a administração de Barack Obama: o antecessor de Trump foi repetidamente acusado pelas autoridades egípcias de apoiar a Irmandade Muçulmana por adotar uma postura crítica face à perseguição de críticos e opositores do governo de Al-Sisi.

A notícia do encontro oficial com Trump foi avançada este domingo por um jornal egípcio e entretanto confirmada por uma fonte da Casa Branca, que sublinhou que a visita vai acontecer a convite de Trump. O Egito e os Estados Unidos são aliados próximos há quase 40 anos, desde que o Cairo assinou um tratado de paz com Israel. Atualmente, o país é, a seguir ao Estado hebraico, o segundo maior beneficiário de ajuda militar norte-americana, recebendo anualmente cerca de 1,3 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros) dos EUA. Em dezembro, o ministro egípcio dos Negócios Estrangeiros, Sameh Shoukry, disse acreditar que as relações entre os dois países vão florescer e "ficar mais fortes" sob a administração Trump.