Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Popularidade de Trump cai para nível mais baixo de sempre para um Presidente em início de mandato

Pool

Sondagem do Gallup mostra que apenas 37% dos inquiridos estão satisfeitos com a atual administração, contra 58% que reprovam o governo do empresário tornado Presidente ao final de dois meses no poder

A taxa de aprovação do Presidente Donald Trump caiu esta semana para 37%, o valor mais baixo já registado não só pela sua administração como por qualquer outro Presidente ao final de dois meses no poder desde que o Instituto Gallup começou a rastrear a opinião pública em 1945, após Harry Truman ter tomado posse como o 33.º Presidente dos EUA.

Quando Barack Obama concluiu dois meses do seu primeiro mandato. em março de 2009, a sua taxa de aprovação rondava os 60% e a de George W. Bush os 55% em março de 2001. Obama nunca caiu abaixo dos 40% junto da opinião pública; o mais baixo que o seu antecessor desceu foi aos 25%.

De acordo com a última sondagem do Gallup, a popularidade de Trump está neste momento ao nível da de Bill Clinton em junho de 1993, cinco meses depois de ter tomado posse. A presidência de Ronald Reagan desceu abaixo dos 37% em janeiro de 1983, um ano depois de ter tomado posse. George H. W. Bush, por exemplo, só registou esse nível baixo de popularidade mais de três anos depois de se ter tornado o 41.º Presidente dos EUA.

Richard Nixon, o único líder do país que algum dia foi destituído do cargo, atingiu a taxa de 37% um ano depois de ter sido eleito para um segundo mandato consecutivo – antes de cair para os 24% em agosto de 1973, quando estalou o escândalo Watergate, que conduziria à sua demissão. O nível mais baixo de popularidade de um Presidente algum dia registado pelo Gallup deu-se com a administração Truman em fevereiro de 1952; ao final de quase sete anos na presidência, a taxa de aprovação do democrata caiu para os 22%.

O último inquérito de opinião sobre a presidência de Donald Trump mostra que, neste momento, 58% dos norte-americanos reprovam a atual administração. A sondagem surge ao final de 50 dias do governo, marcados pela demissão do conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn; por contactos ilegais com o embaixador da Rússia em Washington; por acusações infundadas de escutas que, diz Trump, foram ordenadas por Barack Obama durante a campanha; por dois decretos antimuçulmanos suspensos por juízes federais; e por suspeitas de conluio entre a equipa do atual Presidente e indivíduos ligados ao governo de Vladimir Putin.

Os casos das escutas e das alegadas ligações Trump-Rússia vão estar a ser debatidos esta segunda-feira no Congresso, depois de os líderes da comissão de Serviços de Informação da Câmara dos Representantes terem convocado os diretores do FBI e da Agência de Segurança Nacional (NSA) a prestarem depoimentos aos legisadores.