Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Teste de novo engenho marca “nascimento da indústria de mísseis”, diz líder norte-coreano

KCNA/EPA

Teste de novo motor para equipar mísseis de longo alcance foi supervisionado pelo líder norte-coreano, Kim Jong-Un

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

A Coreia do Norte lançou este sábado um novo tipo de motor para equipar mísseis de longo alcance, numa ação supervisionada pelo líder norte-coreano, Kim Jong-Un. A notícia foi avançada pela imprensa estatal. O líder norte-coreano disse que o novo teste , que foi conduzido na base de Tongchang-ri, na estação de lançamento de Sohae – na parte ocidental do país, perto da fronteira com a China – marca “o novo nascimento da indústria de lançamento de mísseis e sublinhou que “o mundo irá em breve observar o significado que a grande vitória de hoje representa”.

Observadores internacionais afirmam que o programa espacial de Pyongyang, com recurso ao nuclear, é uma forma de encobrir testes de armas.

O novo secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, visitou na semana passada a Coreia do Sul, onde anunciou que os Estados Unidos não pretendem manter a abordagem “falhada” da diplomacia paciente com Pyongyang e avisou que uma ação militar norte-americana contra a Coreia do Norte é uma opção “em cima da mesa”.

No sábado, depois de ter estado reunido em Pequim com Wang Yi, ministro dos Negócios Estrangeiros da China, naquela que foi a primeira visita ao país asiático de um membro do gabinete de Donald Trump, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, disse que os EUA e Pequim concordaram que a tensão na península coreana alcançou um nível “bastante perigoso” e comprometeram-se a fazer “tudo o que for possível” para evitar um conflito. Os dois países comprometeram-se ainda a trabalhar juntos para tentar convencer Pyongyang a “optar por um caminho diferente” e a “afastar-se do desenvolvimento de armas nucleares”, anunciou Tillerson.

Já na sexta-feira, e depois de visitar a zona desmilitarizada que divide a península coreana, o secretário de Estado norte-americano disse que uma ação militar dos Estados Unidos contra o regime de Pyongyang era “uma opção em cima da mesa” face às crescentes ameaças do país. “Se eles [Coreia do Norte] elevarem a ameaça através do programa de armamento a um nível que, acreditamos, pode obrigar a uma ação [militar], então essa opção fica em cima da mesa”, afirmou o secretário de Estado norte-americano, citado pelo “Chicago Tribune”.

A Coreia do Norte já conduziu cinco testes nucleares e lançou uma série de mísseis balísticos. Segundo vários analistas, o objetivo de Pyongyang é desenvolver mísseis nucleares com capacidade para alcançar o território norte-americano.