Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Situação devastadora no Iémen: fome ameaça 17 milhões de pessoas

AHMAD AL-BASHA/GETTY

O conflito que se arrasta há dois anos levou ao fim das produções agrícolas e está a impedir a entrada de ajuda humanitária no país. As Nações Unidas indicam tratar-se de uma das piores situações de fome em todo o mundo. As organizações humanitárias advertem que estará a atingir-se o “ponto de não retorno”

Cerca de 17 milhões de pessoas estão em risco de fome no Iémen, segundo dados revelados na quarta-feira pelas Nações Unidas, que levaram organizações humanitárias como a Save the Children a advertirem para a necessidade de se agir rapidamente.

“Vinte das 22 províncias do país estão em situação de ‘emergência’ ou ‘crise’ alimentar e quase dois terços da população estão agora em situação de fome, a necessitarem de apoio para a sobrevivência e subsistência”, refere o comunicado da organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação.

Os dados representam um agravamento de 21% em relação aos que haviam sido reunidos em junho de 2016. “Os número apresentados são absolutamente extraordinários” afirma o porta-voz da Save the Children no Iémen, Mark Kaye, indicando que poderá estar a atingir-se o “ponto de não retorno”. “Se as coisas não forem feitas agora, depois olharemos para trás e veremos que milhões de crianças morreram à fome, e que todos tínhamos consciência da situação há algum tempo. Isto irá envergonhar-nos como comunidade internacional ao longo dos próximos anos”, afirmou, em declarações citadas pelo “The Guardian”.

O conflito, que se arrasta há dois anos, levou ao fim das produções agrícolas e a situação é ainda agravada por estar a ser impedida a chegada do auxílio às populações carenciadas.

“Esta crise está a acontecer por a comida e os fornecimentos não conseguirem chegar ao país”, acrescentou Kaye, realçando que o problema não se resolverá apenas com financiamento, requerendo que seja encontrada uma solução política.

“Acesso sem restrições a todas as áreas, incluindo as relativas às trocas comerciais, será determinante para assegurar que a insegurança alimentar no país não venha a deteriorar-se ainda mais”, afirmou Stephen Anderson, responsável do programa alimentar da ONU no Iémen.

Neste momento, 2,2 milhões de crianças estão em condições de má nutrição grave, e mais de 460 mil em má nutrição extrema.