Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Formosa diz que o crescimento da ameaça chinesa é agravado pela indefinição dos EUA

O relatório que será apresentado no parlamento da Formosa realça a necessidade de se defenderem face ao “aumento continuado” da ameaça chinesa, cujos responsáveis políticos encaram a ilha como uma província traiçoeira que deverá ser tomada pela força caso seja necessário

As recentes atividades de aviões militares e navios chineses em torno da Formosa representam um aumento da ameaça contra o governo autónomo da ilha, segundo um relatório que será apresentado na pelo ministro da Defesa Feng Shih-kuan no parlamento da Formosa na quinta-feira.

A Análise de Defesa Quadrianual de 2017 realça também a incerteza quando ao posicionamento estratégico que os Estados Unidos vão assumir na região, segundo refere a agência Reuters, que teve acesso a um esboço do documento.

A Formosa realça a necessidade de se defender no relatório quadrianual de defesa que será o primeiro a ser apresentada desde que a Presidente Tsai Ing-wen iniciou funções em maio do ano passado, à frente do Partido Progressivo Democrático que é defensor da independência do território.

“O desenvolvimento militar e a liberdade e prosperidade da Formosa são o mesmo corpo vivo”, lê-se no esboço do documento.

A China encara a Formosa como uma província traiçoeira que deverá ser tomada pela força caso seja necessário.

“Independentemente de como evolua a situação na ilha, a ligação fraterna entre os dois lados não pode ser cortada e não poderá mudar a história ou o facto de ambos os lados pertencerem à mesma China”, afirmou o primeiro-ministro chinês Li Keqiang esta quarta-feira em Pequim

O relatório refere ainda o impacto da flexibilização das capacidades militares do Japão e “crise potencial” no disputado Mar do Sul da China.