Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Entusiasmo pela independência da Escócia é o mais alto de sempre

Nicola Sturgeon na reunião em que anunciou a intenção de fazer novo referendo à independência da Escócia

James Gollop / REUTERS

Escoceses estão cada vez mais pró-independência do Reino Unido e não necessariamente para se aproximarem da União Europeia, estudo revela

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

Um estudo académico divulgado esta quarta-feira pela BBC revela que o apoio à independência da Escócia se encontra ao mais alto nível desde sempre. Pensar que esta tendência revela um maior interesse pela União Europeia é, contudo, erróneo. O ceticismo é também comum a quem votou para permanecer na UE, com 56% dos eleitores a acharem que Bruxelas deveria ter menos poderes.

Uma sondagem às atitudes sociais da Escócia do instituto de investigação social ScotCen divulgado esta quarta-feira apura que a popularidade da UE também desceu. Desde 1999 que este instituto todos os anos pergunta como deveria ser governada a Escócia. Dado o baixo entusiasmo pela União, os investigadores concluem que a concentração na pertença à UE pode não ser a melhor maneira de atrair votos favoráveis à independência.

Este estudo de tendência surge dois dias após a chefe do governo regional da Escócia, Nicola Sturgeon, ter confirmado publicamente que vai pedir permissão ao Governo do Reino Unido para realizar um segundo referendo à independência do país. Esta segunda consulta popular tem todas as hipóteses de partir com uma posição pró-independência reforçada logo à partida.

Na investigação do ScotCen lê-se que o referendo de setembro de 2014 deixou “um legado de crescente apoio” à independência. Por todas as razões, Sturgeon considera um segundo referendo vital para que o país possa escolher o caminho a seguir.

Levadas a escolher entre o apoio à independência, permanecer como até agora ou a não existência de parlamento escocês, 46% dos 1.237 inquiridos entre julho e dezembro de 2016 apoiam agora a independência. Esta tendência é seguida por cada vez maior número de jovens: 72% dos eleitores com idades entre 16 e 24 anos querem sair do Reino Unido contra apenas 26% dos que têm mais de 65 anos.