Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Alemanha também não quer campanhas políticas turcas

Thomas de Maizière, ministro alemão do Interior

Sean Gallup/Getty Images

O ministro do Interior alemão diz que não apoia estas práticas, mas para já, não houve proibições como na Holanda, apenas cancelamentos de alguns comícios de ministros turcos

O ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, disse este domingo que também se opõe a que ministros turcos façam campanha política no país, nomedamente ações a favor do referendo de 16 de abril que tem como objetivo conseguir mais podres para o Presidente Erdogan.

“Pessoalmente, não sou apoiante destas presenças. Não as desejo. Uma campanha [eleitoral] turca não tem nada a fazer aqui, na Alemanha”, declarou à cadeia televisiva pública alemã ARD, citada pela Lusa.

Para já, na Alemanha ainda nenhuma dessas ações foi proibida pelo Governo. Houve sim diversas cidades alemãs que anularam os comícios onde deveriam discursar os responsáveis políticos turcos o que levou Erdogan a qualificar essas decisões de “práticas nazis”, o mesmo que disse das proibições que ocorreram na Holanda no sábado. Mas aqui a situação descontrolou-se e provocou uma verdadeira crise diplomática e até motins nas ruas de Roterdão.

Tudo começou com as autoridades a impedir o ministro dos Negócios estrangeiros de entrar no país e, mais tarde, de terem detido e expulsado a ministra dos Assuntos Familiares de volta para a Alemanha, de onde vinha.