Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Daesh alarga influência no Médio Oriente

NOORULLAH SHIRZADA/AFP/GETTY

O grupo Khorasan , uma célula do autodenominado Estado Islâmico , garante estar a recrutar cada vez mais combatentes e a levar a cabo vários ataques na região

Se por um lado o autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) está a perder terreno no Iraque e na Síria – como resultado da ofensiva da coligação internacional –, por outro uma célula do grupo jiadista estará a aumentar a influência noutras zonas da região.

O grupo Khorasan, sediado próximo da fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão, garante que está a recrutar cada vez mais combatentes e a levar a cabo vários ataques no Médio Oriente, refere a Al-Jazeera. Ainda no mês passado, a célula jiadista reivindicou a autoria do atentado que causou 90 mortos num santuário sufista no Paquistão e o ataque que matou seis de trabalhadores humanitários no norte do país.

O Presidente afegão Ashraf Ghani alertou recentemente que o grupo terrorista não é a única ameaça na região: “O Daesh não é só um risco para o Afeganistão, mas para a região e para o mundo inteiro”, acrescentou.

Fonte do grupo disse à Reuters que o movimento não tem propriamente uma base no Paquistão, mas simpatizantes e ligações no país. “A maioria dos atacantes e bombistas suicidas entraram no Paquistão a partir do Afeganistão”, explica a mesma fonte, sublinhando que o mesmo se passa em relação a membros de outras células jiadistas.

Chefe das tropas da NATO quer mais militares no Afeganistão

O chefe das tropas dos EUA e da NATO no Afeganistão, o general John Nicholson, afirmou por sua vez que cerca de um terço dos combatentes do Daesh foram mortos no país e que estão planeadas várias operações antiterroristas este ano para derrotar o Daesh e impedir a entrada de terroristas vindos do Iraque e da Síria. No entanto, o general diz que são necessários mais militares na região.

A expansão de ramificações do Daesh constitui outra preocupação para os EUA e para a comunidade internacional. Donald Trump prometeu destruir o grupo terrorista, que está a perder terreno no Iraque e na Síria, contudo, pouco tem falado sobre o Afeganistão.

No início do ano, o porta-voz da Casa Branca afirmou que os EUA estão disponíveis para se juntarem às forças russas para expulsar o Daesh do território sírio, sem referir outros países da região.

O avanço dos talibãs tem aumentado a violência no Afeganistão, numa altura em que os EUA preveem a diminuição das tropas no país. No total, a NATO mantém cerca de 12 mil efetivos no Afeganistão.