Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Forças iraquianas recapturam aeroporto de Mossul aos jiadistas

Um veículo das forças armadas iraquianas circula no interior do aeroporto de Mossul, que ficou com a pista e muitas estruturas danificadas pelo Daesh

ZOHRA BENSEMRA / Reuters

O assalto ao aeroporto foi lançado no quinto dia da ofensiva para recuperar a totalidade de Mossul, “capital” do Daesh no Iraque há dois anos, e os combates prolongaram-se por quatro horas. A pista do aeroporto foi destruída pelos jiadistas mas é recuperável, segundo a BBC

As forças iraquianas, apoiadas por aviões, helicópteros e drones, recuperaram esta quinta-feira o controlo do aeroporto de Mossul, onde combatiam os jiadistas que defendem os últimos bairros da cidade sob controlo do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico (Daesh).

A captura foi noticiada pela BBC, que tem um jornalista a acompanhar as forças iraquianas.

O assalto ao aeroporto foi lançado no quinto dia da ofensiva para recuperar a totalidade da cidade, "capital" do Daesh no Iraque há dois anos, e os combates prolongaram-se por quatro horas. A pista do aeroporto foi destruída pelos jiadistas mas é recuperável, segundo a BBC.

Depois de repelidos do aeroporto, combatentes do Daesh continuaram a lançar mísseis contra a infraestrutura, a partir de zonas da cidade que continuam sob o seu controlo – a parte leste de Mossul foi recuperada pelas forças iraquianas em janeiro.

"Entrámos no aeroporto e as nossas unidades de engenharia estão a limpar as estradas" de engenhos explosivos deixados pelo Daesh, tinha dito a meio da manhã o comandante da unidade policial de intervenção rápida Hicham Abdul Kadhem, aos jornalistas na zona.

O avanço das forças iraquianas é apoiado por ataques aéreos e por veículos blindados da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos. O porta-voz da coligação, coronel John Dorrian, disse na quarta-feira que militares norte-americanos foram alvo de disparos, e ripostaram "em várias ocasiões, dentro e em volta de Mossul".

A tomada do aeroporto vai permitir lançar o assalto à periferia sudoeste de Mossul, próxima de afluentes do rio Tigre, que separa a cidade em dois. Estimativas dos serviços de informações norte-americanos indicam que cerca de 2000 combatentes estejam presentes em Mossul. Antes da ofensiva, lançada a 17 de outubro, seriam 5000 a 7000, segundo a mesma fonte.