Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump justifica comentário sobre falso atentado na Suécia com o que viu na Fox News

KEVIN LAMARQUE / Reuters

“A Suécia, quem haveria de pensar? A Suécia... Eles acolheram muitos refugiados e agora têm problemas como nunca imaginaram que iriam ter”, afirmou o Presidente dos EUA na Florida. Ex-primeiro-ministro sueco já reagiu no Twitter: “O que anda ele a fumar?”

O Presidente dos Estados Unidos clarificou o comentário que fez em relação à Suécia, durante um discurso na Flórida, justificando o equívoco com algo que viu na televisão Fox News. "A minha declaração sobre o que se está a passar na Suécia era uma referência a uma história emitida na Fox sobre imigrantes na Suécia", escreveu na rede social Twitter, sem mais explicações.

"Olhem para o se passa na Alemanha, olhem para o que se passou ontem à noite [sexta-feira] na Suécia. A Suécia, quem haveria de pensar? A Suécia... Eles acolheram muitos refugiados e agora têm problemas como nunca imaginaram que iriam ter", afirmou Trump, num discurso feito este sábado, na Florida, durante o qual justificou a sua política anti-imigração.

Logo a seguir, Trump fez referência a lugares europeus onde efetivamente aconteceram atentados terroristas, como Bruxelas, Nice e Paris, fazendo a ligação com algo que teria acontecido na Suécia.

Em reação, o ex-primeiro-ministro sueco Carl Bildt escreveu no Twitter: "A Suécia? Um atentado? O que anda ele a fumar?".

A declaração de Trump animou as redes sociais, com o Presidente americano a ser ridicularizado um pouco por todo o mundo.

Esta não foi a primeira vez que membros da administração Trump, e agora o próprio, se referem a ataques terroristas inexistentes – justificados posteriormente como lapsos.

Mas as reações não ficaram pelas redes sociais, tendo a embaixada da Suécia em Washington pedido explicações oficiais ao Departamento de Estado dos Estados Unidos sobre as declarações do Presidente.

A porta-voz da Casa Branca Sarah Huckabee Sanders explicou que o comentário de Trump aludia a uma suposta relação entre o aumento do crime e os imigrantes e refugiados, não se referindo a incidentes em concreto.