Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Imigrantes nos Estados Unidos incitados a não irem trabalhar, não irem às aulas, nem fazerem compras

Spencer Platt/GETTY

“Um Dia Sem Imigrantes” é uma iniciativa que está a ser promovida esta quinta-feira, como forma de mostrar o impacto que poderá ter a ampla deportação de imigrantes. “Eles não gostam de imigrantes? Vamos dar-lhes um dia de folga”, é o repto que está a ser lançado através das redes sociais

Filadélfia, Washington, Boston, Chicago e Nova Iorque são algumas das cidades norte-americanas em que os organizadores do protesto “Um Dia Sem Imigrantes” estão a apelar a uma espécie de “greve”, esta quinta-feira, contra as medidas anti-imigração preconizadas pelo novo Presidente Donald Trump

“Os imigrantes da Nação, filhos e filhas de imigrantes e apoiantes de imigrantes, estão a demonstrar o quão crucial nós somos para o funcionamento básico da economia dos Estados Unidos. Por um único dia, durante um dia de semana, devemos juntar-nos e unir-nos em total resistência de modo a rejeitar o sistema que está a ditar o lançamento de uma opressão desumana e gritante sobre aqueles que não correspondem aos comuns, brancos, cidadãos nascidos no país”, afirma a mensagem divulgada no Facebook, lançando em seguida o repto: “Eles não gostam de imigrantes. Vamos dar-lhes uma dia de folga”.

Para além de não irem trabalhar ou abrirem os seus negócios, os imigrantes são também convidados a não enviarem os seus filhos para a escola e a absterem-se de fazer compras ao longo desta quinta-feira.

“De médicos a lavadores de loiça, os imigrantes são parte integrante da vida quotidiana nos Estados Unidos”, escreveu no Twitter, Janet Murgiua, presidente e CEO do Conselho Nacional de La Raz, organização latina norte-americana, ao elogiar a decisão de reputado chefe Jose Andrés de não abrir os seus restaurantes em Washington D.C. Andrés anunciou que tomou a decisão após algumas centenas de empregados lhe terem comunicado que não viriam trabalhar e apelaram ao seu apoio, segundo refere o “USA Today”.

No Novo México, estado que possui a maior percentagem de residentes latinos nos Estados Unidos, os responsáveis das escolas manifestaram-se preocupados que centenas de estudantes faltem às aulas, tendo escrito aos pais a apelar para que evitem que tal aconteça e frisando que as faltas serão consideradas como injustificadas, refere ainda o jornal norte-americano

Pelo menos onze milhões de pessoas vivem nos Estados Unidos sem terem a sua situação legal regularizada. Os imigrantes indocumentados representam cerca de 9% dos funcionários da indústria de hotelaria e restauração, indicam os dados do Pew Research Center.