Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mulher detida pelo aparente assassínio do meio-irmão de Kim Jong Un

JUNG YEON-JEAFP/GETTY

Antes de falecer a caminho do hospital, Kim Jong Nam indicou aos médicos que fora atacado com um spray por duas mulheres, quando se encontrava no aeroporto da capital da Malásia a caminho de Macau

A polícia da Malásia deteve esta quarta-feira uma mulher suspeita de envolvimento no assassínio de Kim Jong Nam, que deverá ter sido envenenado na terça-feira no aeroporto de Kuala Lumpur.

A mulher de 28 anos, que possuía um passaporte vietnamita com o nome Doan Thi Hong, foi detida no terminal 2 do aeroporto, em sequência de uma identificação baseada na análise das imagens registadas pelas câmaras de segurança.

Os serviços secretos sul-coreanos suspeitam que o meio-irmão de Kim Jong Un tenha sido assassinado por duas agentes norte-coreanas.

A informação foi avançada esta quarta-feira por deputados sul-coreanos e também fontes governamentais indicaram à agência Reuters a sua convicção de que Kim Jong Nam, de 46 anos, tenha sido eliminado pelo regime de Pyongyang.

Antes de falecer a caminho do hospital, o meio-irmão do líder norte-coreano disse aos médicos que fora atacado por duas mulheres com um spray quando se encontrava no aeroporto de Kuala Lumpur, Malásia. Dali deveria ter apanhado um voo para Macau onde se encontrava a residir com a sua segunda mulher, sob a proteção da China.

Kim ainda não teria passado o controle de fronteira quando foi agarrado por alguém pelas costas, tendo-se de seguida sentido tonto e procurado ajuda, referiram os responsáveis policiais da Malásia.

A polícia indicara também que as duas mulheres abandonaram depois o aeroporto de táxi e que estão a ser analisados os registos da câmara de vigilância para obter mais pistas sobre ocorrido. A autópsia será levada a cabo esta quarta-feira.

Os serviços secretos sul-coreanos pensam que a Coreia do Norte terá aproveitado a sua presença no aeroporto para concretizar o assassínio, o que supostamente já haviam tentado em 2012.

Até ao início do século XXI, Kim era considerado o provável sucessor do pai, que morreu em 2011. Em 2001, no entanto, foi detido no aeroporto de Tóquio com um passaporte falso com o qual alegadamente queria visitar um parque Disney no Japão. Emigrou para a China em 1995 e vivia desde então entre Pequim, Hong Kong e Macau.