Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Índia iguala China no número de mortes prematuras causadas pela poluição

DOMINIQUE FAGET / AFP / Getty Images

Em conjunto, os dois gigantes asiáticos representam mais de metade de todas as mortes no mundo atribuídas à exposição a partículas microscópicas suspensas no ar, que depois de inaladas se alojam nos pulmões e causam bronquite crónica, cancro do pulmão e doenças cardíacas

O ar na Índia já rivaliza com o da China como o mais mortífero do mundo, sendo responsável por 1,1 milhões de mortes prematuras a cada ano, indica um novo estudo publicado esta terça-feira.

O estudo conjunto de dois institutos de investigação norte-americanos sobre saúde indica que o nível anual de mortes prematuras na Índia é quase igual ao da China, resultado de uma subida abrupta e constante nos últimos anos. Já os números chineses têm vindo a estabilizar no mesmo período.

As medições feitas ao "smog" (em termos genéricos, nevoeiro contaminado com fumos) nas cidades indianas passam muitas vezes os índices seguros de exposição.

Entre 1990 e 2015, a Índia registou um aumento de quase 50% no número de mortes ligadas a partículas no ar (índice conhecido como PM2.5), conclui o relatório. Estas partículas microscópicas são tão leves que flutuam no ar e alojam-se dentro dos pulmões, sendo causadoras de bronquite crónica e doenças cardíacas. Também estão associadas a taxas mais altas de cancro nos pulmões.

"A Índia agora aproxima-se da China no número de mortes atribuíveis ao PM2.5", indica o relatório do Instituto dos Efeitos para a Saúde e o Instituto para as Métricas e Avaliação na Saúde. Em conjunto, os dois gigantes asiáticos, Índia e a China, representam mais de metade de todas as mortes no mundo atribuídas à exposição a PM2.5, acrescenta o documento.

Os esforços das autoridades chinesas para reduzir o "smog" nas cidades estabilizaram o número de mortes prematuras associadas a PM2.5 nos 1,1 milhões por ano desde 2005.

Mas na Índia esse mesmo número subiu de 737,4 mil por ano 1990 (estimativa), para 1,09 milhões em 2015.

A China e a Índia também surgem quase empatados na corrida ao título de país mais poluído do mundo.

Confrontada com crescentes necessidades de energia, a Índia continua muito dependente do carvão para fornecer eletricidade aos seus 1,25 mil milhões de habitantes. Ainda assim, as autoridades indianas fixaram metas ambiciosas para a produção de energia eólica e solar.

"O carvão não vai desaparecer rapidamente. A poluição ambiental derivada do carvão será sempre muito significativa na Índia", considerou Sumant Sinha, a presidente da ReNew Power, uma empresa indiana de energia limpa.