Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump quer facilitar acesso das mulheres empresárias ao capital

SHAWN THEW/EPA

Fontes da Casa Branca apontaram que Trump e o primeiro-ministro canadiano devem anunciar um grupo de trabalho com membros dos dois países para discutir aspetos sociais da participação das mulheres no mundo laboral, como as licenças de maternidade

O presidente norte-americano, Donald Trump, manifestou interesse em trabalhar com o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, para facilitar o acesso das mulheres empresárias ao capital, numa mesa-redonda sobre a participação das mulheres no mundo dos negócios.

A conferência desta terça-feira, organizada por Ivanka Trump, filha do presidente e empresária, insere-se no programa oficial da visita de Trudeau a Washington. Na sua intervenção, Donald Trump afirmou que "o sistema não está a funcionar assim tão bem" para os empreendedores, em especial para as mulheres. Já Trudeau defendeu que a participação das "mulheres nos negócios é uma poderosa alavanca para o êxito".

Após a mesa-redonda, os dois dirigentes reunem-se a sós, um primeiro encontro face a face considerado delicado dado o interesse de Trudeau de renegociar o acordo de comércio livre ao mesmo tempo que mantém com Trump divergências claras, em matérias como a imigração ou o comércio externo.

Terceiro dirigente estrangeiro a ser recebido por Donald Trump, depois da britânica Theresa May e do japonês Shenzo Abe, o primeiro-ministro canadiano prometeu falar com "franqueza e respeito".

Importantes relações económicas ligam os dois grandes países, que partilham a maior fronteira do mundo entre dois Estados. Os EUA recebem três quartos das exportações canadianas e o Canadá é o principal destino das exportações de três dezenas de Estados norte-americanos.

Politicamente, Trudeau, 45 anos, e Trump, 70, têm posições muito distintas. O primeiro-ministro canadiano é um fervoroso defensor do comércio livre, acolheu 40 mil refugiados sírios, considera-se um feminista e nomeou mulheres para metade dos cargos no seu governo.

O presidente norte-americano, pelo contrário, prefere o protecionismo e isolacionismo comercial, propôs fechar fronteiras a refugiados e outros migrantes e não só fez declarações consideradas misóginas sobre mulheres como nomeou muito poucas para a sua administração.