Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

ONU acusa NATO de matar 18 civis na província afegã de Helmand

John Moore

Organização cita ataques aéreos das “forças militares internacionais” em Sangin que há alguns dias provocaram a morte de pelo menos 18 civis, na sua maioria mulheres e crianças. Fontes das forças norte-americanas dizem que só elas é que têm conduzido ataques aéreos em Helmand nas últimas semanas

As vítimas de uma campanha de ataques aéreos lançada pela NATO entre quinta e sexta-feira contra a província de Helmand, no sul do Afeganistão, eram todas civis, na sua maioria mulheres e crianças. A revelação foi feita este domingo pelas Nações Unidas, num comunicado onde é referido que pelo menos 18 não-combatentes morreram nos ataques ao distrito de Sangin no final da semana passada.

A ONU refere que os ataques foram conduzidos por "forças militares internacionais", mas fontes do Exército norte-americano citadas pelas agências noticiosas dizem que apenas aparelhos e pessoal militar norte-americano é que participaram na recente campanha da aliança. Outras fontes militares dos EUA reconhecem que foram conduzidos cerca de 30 raides aéreos em Helmand nas últimas semanas sem o apoio de qualquer outro país. A missão Apoio Resoluto da NATO foi quem abriu inicialmente o inquérito ao incidente do final da semana passada.

"Estamos a investigar as alegações e a trabalhar de forma diligente para determinar se houve civis a morrer ou a suster ferimentos como resultado da campanha aérea dos EUA", avança em comunicado o brigadeiro-general Charles Cleveland, porta-voz das forças militares norte-americanas no Afeganistão.

Fontes oficiais afegãs e residentes locais dizem que pelo menos 22 civis perderam a vida durante a operação conjunta levada a cabo pelos EUA e pelas forças militares afegãs entre quinta e sexta-feira. A versão é a mesma que foi avançada pelo enviado do governo afegão a Helmand, Jabar Qahraman, que diz que os raides contra um alegado esconderijo dos talibãs no distrito de Sangin provocaram 13 mortos de uma só família e nove de outra.

Pelo menos 891 civis foram mortos ou ficaram feridos em 2016 na sequência da missão militar da NATO em Helmand, uma que foi lançada em parceria com as forças afegãs para destruir os bastiões dos talibãs naquela província. O número é superior nas áreas ao redor de Cabul, a capital do Afeganistão. De acordo com o mais recente relatório da ONU sobre mortes de civis em operações militares no Afeganistão, no ano passado houve um aumento exponencial de baixas civis em relação a anos anteriores.