Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA. Senado aprova à tangente secretária da Educação

Chip Somodevilla/GETTY

O vice-presidente norte-americano teve que usar o seu voto para desempatar o resultado

O Senado norte-americano aprovou esta terça-feira Betsy DeVos para o lugar de secretária da Educação. Depois de um empate na votação – 50 votos a favor e 50 votos contra – o vice-presidente Mike Pence teve que usar o seu voto para desempatar o resultado, conforme está previsto na Constituição dos EUA.

Foi a primeira vez na história do Senado norte-americano que um vice-presidente teve que usar o seu voto de qualidade para decidir uma nomeação.

Apesar de o Partido Republicano estar em maioria no Senado , as senadoras republicanas Susan Collins do Maine e Lisa Murkowski do Alasca votaram contra a nomeação da secretária de Estado da Educação.

Betsy DeVos, de 59 anos, é muito contestada pela oposição que acusa a secretária de não ter experiência na área da educação pública e de beneficiar os interesses de instituições privadas. Por várias vezes, a milionária e financiadora do Partido Republicano se manifestou a favor do sistema de vouchers e da privatização do ensino. Vários sindicatos de professores e associações de pais e também têm criticado a escolha da milionária para o lugar de secretária da Educação.

Donald Trump defende, contudo, que Betsy DeVos será capaz de levar a cabo uma importante reforma na Educação, enquanto os republicanos em geral consideram que a governante está “determinada em procurar acima de tudo o melhor para as crianças”, refere o “The New York Times”.

  • Trabalho infantil e vouchers escolares: as controvérsias da nova ministra da Educação de Trump

    Por apenas um voto de diferença, Betsy DeVos foi esta terça-feira confirmada pelo Senado dos Estados Unicos como nova responsável máxima pela Educação do Governo Trump. O Expresso republica um texto no qual se traça o perfil desta multimilionária, proeminente dadora do Partido Republicano e grande defensora de um sistema de vouchers na escola pública, que os críticos dizem servir apenas para desviar fundos públicos para o ensino privado