Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump põe vice-presidente a investigar fraude eleitoral “em massa” que não aconteceu

Andrew Harrer-Pool/Getty Images

Mitch MConnell, líder da maioria republicana no Senado, garante que nenhum dinheiro federal será gasto com as alegações do Presidente. “A fraude eleitoral existe mas não há qualquer prova de que tenha ocorrido a um nível que alterasse o resultado das eleições presidenciais

O Presidente norte-americano avançou este domingo que vai criar uma comissão liderada pelo seu vice-presidente Mike Pence para investigar o que diz ter sido uma fraude eleitoral em massa nas eleições presidenciais de novembro, que lhe deram a vitória graças a três estados-chave no Colégio Eleitoral mas nas quais Hillary Clinton, a sua rival democrata, obteve quase mais três milhões de votos populares do que ele.

Até agora, Donald Trump continua sem apresentar publicamente qualquer prova ou indício de que tenha havido votos ilícitos em larga escala nas eleições do ano passado que tenham alterado profundamente o resultado do plebiscito. Foi precisamente essa a ideia transmitida esata domingo por Mitch McConnell, líder da maioria republicana no Senado, que à CNN garantiu que nenhum dólar federal será usado para financiar o painel que Trump quer criar à força.

"A fraude eleitoral existe mas não há qualquer prova de que tenha ocorrido a um nível que alterasse o resultado das eleições presidenciais", declarou no programa "State of the Union" um dos chefes do partido pelo qual Trump foi eleito. "Não penso que devamos gastar dinheiro federal a investigar isto. Penso que os estados podem apurar o assunto."

Numa entrevista com Bill O'Reilly, da Fox News, gravada na sexta-feira e difundida este domingo antes do Super Bowl (final do campeonato de futebol americano), o Presidente voltou a discorrer sobre como acredita que milhões de imigrantes clandestinos votaram em Clinton ilegalmente, uma alegação que todas as investigações comprovam ser falsa mas que Trump está investido em defender até às últimas consequências. "Vou criar uma comissão liderada pelo vice-presidente Pence e vamos analisar isto com muita, muita atenção", prometeu.