Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rússia discorda de Donald Trump e diz que Irão não é um Estado terrorista

Apesar de Vladimir Putin contar com o apoio de Donald Trump, os diferendos entre os dois países em relação a diversas questões regionais e internacionais persiste

Alexei Diuzhinnin/EPA

O porta-voz do Kremlin lamentou as sanções norte-americanas e reconheceu que as posições de Moscovo e de Washington em várias questões regionais e internacionais são “diametralmente opostas”, acrescentando contudo que isso não deve impedir que tenham “relações pragmáticas”

A Rússia disse esta segunda-feira que discorda da posição defendida pelo Presidente norte-americano de que o Irão é o maior patrocinador mundial do terrorismo, defendendo a forma como Teerão tem apoiado a coligação internacional que luta contra o radicalismo islâmico.

“Não concordamos com esta abordagem. A Rússia mantém boas relações com o Irão”, afirmou o porta-voz do Kremlin (sede da Presidência russa), Dmitri Peskov.

O porta-voz assegurou que “não é segredo” que, em relação a várias questões regionais e internacionais, as posições de Moscovo e de Washington são “diametralmente opostas”.

“No entanto, isso não deve ser um obstáculo para que a Rússia e os Estados Unidos mantenham contactos normais e relações pragmáticas”, frisou.

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, também abordou esta segunda-feira esta questão e mostrou-se “convencido” de que “o Irão deve fazer parte dos esforços comuns” e integrar a coligação internacional que luta contra os extremistas do autodenominando Estado Islâmico (Daesh) e do Jabhat Fateh al-Sham (grupo anteriormente conhecido como Frente al-Nosra) na Síria.

E recordou que, independentemente das declarações da nova administração dos Estados Unidos, o Presidente Donald Trump disse que “o principal problema na política externa é a ameaça do terrorismo internacional personificado principalmente no Daesh”.

“Se é assim, então devemos destacar que o Irão nunca esteve envolvido (...) com o Daesh, com a Frente al-Nosra ou com qualquer outra estrutura filiada dessas organizações ou incluídas na lista de grupos terroristas da ONU”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo.

Serguei Lavrov destacou ainda que o “Irão contribui na luta contra o Daesh através de destacamentos armados no território sírio em resposta a um pedido do legítimo governo sírio”.

Após o regime de Teerão ter realizado testes de um míssil balístico de médio alcance, a administração de Donald Trump endureceu na sexta-feira as sanções económicas contra o Irão, visando várias pessoas e entidades daquele país. O chefe de Estado americano também avisou o Irão de “estar a brincar com o fogo”.

A Rússia lamentou esta segunda-feira as sanções americanas e recordou que estes ensaios por parte do regime de Teerão não são uma violação do acordo sobre o programa nuclear iraniano, assinado em julho de 2015 entre o Irão e o grupo de países 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Rússia e China).

Este compromisso histórico colocou fim a 12 anos de discórdia entre o Irão e os países ocidentais.