Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rebelião entre conservadores pode condenar Brexit ao “purgatório perpétuo”

reuters

A primeira-ministra britânica não pretende ceder perante deputados europeístas do seu partido que desejam introduzir emendas à lei que a autoriza a ativar o artigo 50.º do Tratado da União Europeia, iniciando o processo formal de saída. As divisões entre conservadores podem inviabilizar a aprovação final ou enfraquecer Theresa May perante os 27 parceiros comunitários

Deputados conservadores pró-União Europeia estão a pressionar a primeira-ministra Theresa May para que sejam introduzidas alterações ao projeto de lei, aprovado na generalidade na passada quarta-feira, que autoriza a governante a invocar o artigo 50.º do Tratado da União Europeia, dando início formal à saída do Reino Unido. May não tenciona fazer-lhes a vontade.

Os deputados receiam que a primeira-ministra possa cumprir a ameaça de abandonar as negociações com Bruxelas caso não alcance um acordo que a satisfaça. “Nenhum acordo é melhor do que um mau acordo”, disse May num discurso, em janeiro. As emendas que os seus companheiros de partido defendem deixariam a governante sem esse espaço de manobra, pois estipulam que teria de haver uma votação final no Parlamento sobre o acordo alcançado. Outra alteração proposta vai no sentido de assegurar proteções aos cidadãos da União Europeia residentes no Reino Unido.

Theresa May não está, contudo, disposta a um compromisso no sentido de viabilizar essas emendas, refere o jornal “The Daily Telegraph”. Fonte do Governo indicou a “The Guardian” que uma cedência nas emendas poderia conduzir o Brexit a um “purgatório perpétuo”. A questão é que uma rebelião entre deputados conservadores poderá inviabilizar a esperada aprovação do projeto-lei na Câmara dos Comuns, marcada para esta semana, após debate das propostas de alteração que venham a ser admitidas.

Steve Baker, conservador e apoiante da saída da UE, estima que 27 deputados do seu partido estejam a planear fazer emperrar o avanço do projeto de lei, apoiando as emendas sugeridas. Estas declarações surgem como pressão para que não haja na bancada do Governo quem ponha em causa o plano de May, divulgado na semana passada no “Livro Branco do Brexit”.Os deputados britânicos vão saber, esta segunda-feira, quais as propostas de emendas aceites para o debate, que começa amanhã.