Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Governo russo quer pedido de desculpas por parte da Fox News

ALEXEI DRUZHININ / SPUTNIK / KREMLIN POOL

Em causa estão os comentários “inaceitáveis e insultuosos” que o jornalista da Fox News Bill O’Reilly fez sobre Vladimir Putin durante uma entrevista a Donald Trump

O porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov fez saber esta segunda-feira que está à espera de um pedido de desculpas por parte da “Fox News” devido aos comentários “inaceitáveis” do jornalista Bill O’Reilly, que descreveu o Presidente russo como “assassino” durante uma entrevista a Donald Trump, no passado domingo.

“Ele é um assassino, Putin é um assassino”, foram as palavras de O’Reilly, depois de ter questionado o Presidente norte-americano sobre se respeitava o seu homónimo russo. “Há muitos assassinos por aí, nós também temos muitos assassinos. Acha que o nosso país é assim tão inocente?”, foi a resposta dada por Trump.

“Consideramos que tais declarações são inaceitáveis e insultuosas e, falando honestamente, preferíamos que esta companhia televisiva tão respeitada apresentasse as suas desculpas ao Presidente”, referiu Dmitry Peskov, citado pela Reuters.

O porta-voz do Kremlin recusou-se, no entanto, a fazer qualquer comentário sobre a reação de Trump, que em resposta convidou de modo surpreendente os Estados Unidos a efetuarem um exame de consciência. As declarações do Presidente norte-americano também provocaram irritações nalguns republicanos do Congresso, que afirmaram que não há comparação possível entre o comportamento dos políticos russos e o dos norte-americanos, escreve a Reuters.

Vladimir Putin é acusado de estar ligado ao assassínio extrajudicial de jornalistas e dissidentes, escreve a BBC. Contudo, o Presidente russo já rejeitou estas alegações várias vezes, referindo que são politicamente motivadas e falsas.

Em janeiro do ano passado, depois de um juiz britânico ter decretado que “provavelmente” Putin tinha autorizado o assassínio de Alexander Litvinenko, ex-agente do KGB, em Londres, Trump declarou que não via nenhuma evidência de que o seu homólogo russo fosse culpado. “Em primeiro lugar, ele diz que não fez isso. Muitas pessoas dizem que não foi ele. Então, quem sabe quem fez isso?”, mencionara Trump.

A vontade de Trump para estabelecer boas relações com Moscovo suscita preocupações em Washington e esta nova réplica originou uma salva de críticas nas redes sociais e na imprensa. Ainda na entrevista, o Presidente norte-americano repetiu ser melhor o entendimento com a Rússia do que o contrário, nomeadamente no quadro da luta contra o Daesh.