Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ilustrador da capa polémica do "Der Spiegel" acredita que a democracia dos EUA está em perigo

HANDOUT

Chama-se Edel Rodriguez e é o autor da polémica ilustração que coloca Donald Trump a decapitar a Estátua da Liberdade na revista alemã "Der Spiegel". À TSF, o ilustrador confessou acreditar que a democracia nos EUA se encontra em perigo.

O homem que desenhou a polémica ilustração que faz capa da revista alemã "Der Spiegel" desde sexta-feira está longe de ser um desconhecido no mundo das artes e do 'design'. Nascido em Cuba em 1971, a família de Edel Rodriguez viajaria para os EUA nove anos mais tarde, tendo sido acolhida como refugiada política. Edel sentiu por isso na pele o acolhecimento que o país de adoção lhe prestou e a importância que isso teve. Formado pelo New York's Pratt Institute em 1994 e pelo Hunter College em 1998, já expôs o seu trabalho em feiras internacionais de Toronto a Nova Iorque e Espanha. As suas pinturas e arte gráfica é regularmente publicada na capa das revistas americanas The New Yorker, The New York Times, TIME, Newsweek e outras. Agora, foi a vez da revista alemã "der Spiegel" lhe encomendar uma ilustração.

O resultado já fez correr muita tinta - e divide opiniões. Na capa da revista, vê-se um Donald Trump a brandir, numa mão, uma catana, e na outra, a cabeça decapitada da Estátua da Liberdade. A crueza da imagem faz lembrar os métodos terroristas que o mundo está empenhado em combater, com Donald Trump à cabeça (pelo menos é essa a teoria).

Edel Rodriguez explica que durante alguns anos estudou e trabalhou as questões do terrorismo, e quando Donald Trump apareceu, começou a desenhá-lo a ele. "Da mesma forma que desenhava terroristas a fazer isto a pessoas, achei que seria uma ideia interessante mostrar Trump a fazer o mesmo à democracia", conta.

Edel Rodriguez, ilustrador de origem cubana, foi acolhido como refugiado nos EUA em 1980

Edel Rodriguez, ilustrador de origem cubana, foi acolhido como refugiado nos EUA em 1980

"A metáfora é que a democracia e a forma como este país tem acolhido imigrantes no passado está em perigo neste momento por causa desta pessoa", continua. Para o ilustrador, que refere discordar "de basicamente tudo" o que o presidente norte-americano Donald Trump faz e pensa, "o cartoon é uma reação à forma como Trump é".

À TSF, o artista relembrou ainda que a Estátua da Liberdade é um símbolo de uma América livre e multicultural, e que "só há um país com a Estátua de Liberdade. É um símbolo de boas-vindas a emigrantes de todos os países. Já recebeu italianos durante a Segunda Guerra Mundial. Recebeu cubanos no meio da Guerra Fria. Eu sou cubano e foi-me permitido vir para os Estados Unidos no meio da Guerra Fria, quando a Rússia e Cuba estavam contra os Estados Unidos. Ainda assim, acolheram-me como refugiado", rematou.