Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Eurodeputados pedem que escolha provável de Trump para embaixador na UE seja rejeitada

Manfred Weber, líder do Partido Popular Europeu

STEPHANIE LECOCQ/EPA

Numa carta enviada a Juncker e a Donald Tusk, os eurodeputados sublinham a sua convicção de que “as pessoas que entendem que a sua missão é dissolver a União Europeia não podem ser acreditadas como os seus representantes oficiais”

Os eurodeputados Manfred Weber, líder do Partido Popular Europeu, e Guy Verhofstadt, presidente da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa, escreveram esta quinta-feira uma carta endereçada a Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, e a Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, pedindo-lhes para rejeitarem o provável nomeado de Donald Trump para o cargo de embaixador na União Europeia, Ted Malloch, devido a “uma série de declarações públicas que denegriram a União”.

Os dois eurodeputados alertam que, nessas declarações, Malloch revelou a sua ambição para dissolver a União Europeia “tal como deitou abaixo a União Soviética” e apostou “no colapso da moeda única dentro de meses”. Weber e Verhofstadt acusam o nomeado de Trump de “malevolência ultrajante” em relação aos “valores que definem esta União Europeia”. Apontam ainda que tais declarações, pronunciadas por um “representante oficial dos Estados Unidos, têm o potencial de minar as relações transatlânticas que, nos últimos 70 anos, contribuíram para manter a paz, estabilidade e prosperidade no continente europeu”.

Para que um embaixador nomeado para a UE seja credenciado como chefe de uma missão em Bruxelas, escreve o “The Guardian”, essa pessoa precisa da aprovação da Comissão e do Conselho Europeu e ainda do Serviço Europeu para a Ação Externa (que é semelhante ao Ministério dos Negócios Estrangeiros).

Também o líder socialista, Gianni Pittella, segundo o “The Guardian”, enviou uma carta para as duas instituições europeias com conteúdo semelhante.

Ted Malloch é um homem de negócios que apoiou publicamente o Brexit no referendo britânico de junho. Nas polémicas declarações à BBC, referiu também que Trump não é fã da UE e descreveu-a como “supranacional e não eleita”, atacando ainda o presidente da Comissão Europeia. “Juncker foi um presidente bastante adequado de uma cidade no Luxemburgo e talvez deva voltar para lá e fazer isso outra vez”, referiu.

Citado pelo jornal britânico, Verhofstadt sublinhou que “a última coisa de que a Europa precisa é de mais nacionalismos, disseminados pela administração Trump” e que é por essa razão que pede que a acreditação de Malloch seja rejeitada.