Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Guterres diz que controlo de fronteiras imposto por Trump deve ser eliminado “o quanto antes”

LUCAS JACKSON/ Reuters

O tipo de discriminação imposto pelo novo Presidente para vedar a entrada nos Estados Unidos de refugiados e cidadãos de sete países maioritariamente muçulmanos vai “contra os princípios e valores sobre os quais as nossas sociedades estão baseadas”, considera o secretário-geral da ONU

“Esta não é a melhor forma de proteger os Estados Unidos ou qualquer outro país em relação às sérias preocupações relativamente a possíveis infiltrações terroristas”, afirmou o secretário-geral da ONU, a propósito das limitações de entradas impostas pelo Presidente Donald Trump. “Eu não penso que esta seja a forma eficaz de fazê-lo. Eu penso que estas medidas devem ser retiradas o quanto antes”, acrescentou falando aos jornalistas em Nova Iorque esta quarta-feira.

O antigo alto-comissário para os Refugiados apelou que sejam evitadas “medidas que alimentem a ansiedade e a ira” porque “ajudam a desencadear os mecanismos de recrutamento que estas organizações estão a efetuar em todo o mundo”.

A discriminação com base na religião, etnicidade, raça e nacionalidade não pode ser utilizada para vedar de a entrada em países pois vai contra princípios básicos, referira antes uma declaração de Guterres, em reação às medidas tomadas pelo Presidente Donald Trump que vedaram a entrada nos Estados Unidos de refugiados e de cidadãos de sete países maioritariamente muçulmanos.

“Os países têm o direito, mesmo a obrigação, de gerirem responsavelmente as suas fronteiras para evitarem a infiltração de membros de organizações terroristas”, mas essa gestão “não pode ser baseada em qualquer forma de descriminação relacionada com religião, etnicidade ou nacionalidade porque… isso vai contra os princípios e valores fundamentais sobre os quais as nossas sociedades estão baseadas”, referiu Guterres.

Quanto aos refugiados, o secretário-geral da ONU realçou que a recolocação é a “única solução para muitas destas pessoas", tendo destacado a situação da população síria.