Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A noite em que Hollywood criticou Trump (mais uma vez)

O ator Simon Helberg e a mulher marcaram posição logo na chegada à passadeira vermelha

MARIO ANZUONI/ Reuters

Além de vencedores da edição dos SAG Awards 2017, Mahershala Ali, William H. Macy, Viola Davis, Emma Stone e os elencos de “Elementos Secretos” e “Strangers Things” tem em comum o facto de usarem o discurso da vitória para criticar Donald Trump. Numa altura em que centenas de refugiados e cidadãos foram proibidos de entrar nos EUA, uma cerimónia de prémios voltou a ser palco de protesto político

“Um alcoólico sem esperança e um desordeiro, Frank, quando não está num bar a gastar o pouco dinheiro que a família tem, é normalmente mostrado desmaiado no chão devido as bebedeiras”. Este é Frank Gallagher, o pai de seis filhos, na versão norte-americana de “Sem Limites”, interpretado William H. Macy. O ator foi, na noite de domingo, um dos vencedores no SAG Awards e, quando subiu ao palco, mais que um agradecimento, deixou uma mensagem política: “Gostava de dizer obrigado ao Presidente Trump, por fazer parecer o Frank uma pessoa tão normal”. Como Macy, muitos outros atores fizeram daqueles minutos, um protesto contra o recém-eleito chefe de Estado e as políticas anti-imigração, que já deixaram centenas de pessoas retidas nos aeroportos.

As críticas começaram logo no monólogo inicial, com Ashton Kutcher: “Boa noite meus caros companheiros da SAG-AFTRA, a todos em casa e nos aeroportos que pertencem à minha América. Vocês são parte daquilo que nós somos. Amamos-vos e damos-vos as boas vindas”, arrancou o ator. Seguiram-se depois Mahershala Ali, vencedor pelo seu papel em “Moonlight”, que partilhou um pouco da sua história de conversão ao islão e Julia Louis Dreyfus, que voltou a vencer com a série “Veep”, que recordou os tempos em que os seus pais fugiram para os EUA de um França ocupada pelas tropas nazis.

Mais do que partilhas e recordações, os atores apelaram à “união” e ao “amor que vence sempre”. Depois do discurso mediático (e da ovação) a Meryl Streep nos Globos de Ouro há cerca de três semanas, os atores de Hollywood voltaram a usar uma noite de celbração para passar uma mensagem política.