Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mexicanos pedem a Peña Nieto que cancele visita a Washington

Peña Nieto, Presidente do México

EDGARD GARRIDO/Reuters

Políticos, intelectuais e gente da cultura: os mexicanos estão desagradados com o decreto de Donald Trump para a construção do muro e afirmam que o México “não vai pagar”

O descontentamento é geral: vários mexicanos mostraram que estão contra Donald Trump, que assinou um documento para arrancar com a construção de um muro na fronteira dos dois países, garantindo que fará o México “reembolsar a 100%” todo o investimento norte-americano. Agora, apelam ao Presidente do México, Penã Nieto, para cancelar a visita a Washington, programada para 31 de janeiro.

“Presidente Trump: o seu muro ofende-nos e torna a Estátua da Liberdade numa lenda”, escreveu Andrés Manuel López Obrador, político de esquerda e líder do Movimento de Regeneração Nacional mexicano, na sua página do Twitter.

Segundo o “El País”, López Obrador apelou aos mexicanos para apoiarem Peña Nieto, que se vai encontrar com Trump para discutir o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA em inglês).

Por seu turno, Cuauhtémoc Cárdenas, também líder político da esquerda mexicana, pediu a Peña Nieto que “cancele a sua visita aos Estados Unidos e garanta uma posição digna para o México”.

Fundador do Partido da Revolução Democrática, Cárdenas reportou que os emissários enviados a Washington pelo Presidente mexicano – o secretário dos Negócios Estrangeiros Luis Videgaray e o secretário da Economia Ildefonso Guajardo – foram recebidos esta quarta-feira com um “torcer de nariz”, escreve o “El País”. O objetivo da visita prendeu-se com o início das negociações do NAFTA.

Também à direita foram várias as críticas ao documento assinado por Trump. O ex-presidente do México pelo Partido de Ação Nacional, Vicente Fox, pediu a Penã Nieto “tolerância zero” e para não repetir a fotografia tirada com Trump no dia 31 de agosto em Los Pinos (residência presidencial oficial mexicana). “O México não vai pagar o maldito muro”, insistiu.

Outras vozes do partido de Fox também se fizeram ouvir: “É uma ofensa para o México, que deve reconsiderar a visita”, disse Margarita Zavala, candidata à presidência. “Não tem nenhum sentido” o encontro do dia 31, afirmou Roberto Gil, ex-presidente do Senado, citado pelo “El País”. “Trump deixou claro que a negociação será sob as suas condições e sobre a sua agenda”, acrescentou.

Já o historiador Enrique Krauze referiu que os mexicanos jamais vão pagar um “monumento à mentira” e instou o seu chefe de Estado a confrontar Trump, recordando a guerra entre os dois países em meados do século XIX. “Em 1846, o México não negociou a venda forçada de territórios aos EUA, porque se recusou a vende-los. E defendemo-nos. É assim que devemos agir”, cita o diário espanhol.

Contudo, a presidência do México ainda não deu sinais de já ter tomado conhecimento da opinião da população, o que está a indignar os mexicanos.