Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Duas explosões em hotel da Somália fazem pelo menos 15 mortos

FEISAL OMAR/REUTERS

Dois carros armadilhados explodiram com intervalo de minutos na capital da Somália. A segunda explosão ocorreu quando ambulâncias e jornalistas já tinham afluído ao hotel de Mogadíscio. Os ataques foram reivindicados pelo grupo jiadista Al Shabaab

Pelo menos 15 pessoas morreram e 51 ficaram feridas no ataque levado a cabo esta manhã por guerrilheiros do grupo jiadista Al Shabaab no hotel Dayah, em Mogadíscio, segundo indicou o ministro da Segurança somáli.

O ataque teve início com um carro bomba, tendo sido seguido pela entrada de guerrilheiros dentro do hotel. Entretanto, um segundo carro bomba explodiu junto ao local, aonde já tinham afluído ambulâncias e jornalistas, refere a agência France Presse.

“Os dados preliminares de vítimas indicam que 15 pessoas morreram, entre as quais 4 elementos das forças de segurança e 11 civis”, afirmou o ministro. Abdirizak Umar acresnetou que as explosões provocaram 51 no hotel e nas imediações.

O responsável pela polícia, coronel Abdiqdir Hussein, indicou que as forças de segurança acabaram por conseguir controlar a situação no edíficio. “Salvámos as pessoas e concluímos a operação do hotel Dayah”, afirmou.

O ataque ao hotel, localizado nas proximidades do Parlamento e da presidência da República, foi reivindicado pelo Al Shabaab através da rádio somáli Anadlus, que está ligada ao grupo jiadista

Terceiro atentado do mês

O Al Shabaab, que até até 2011 controlou a capital e grande parte do país, costuma efetuar ataques com recurso a bombas e a metralhadoras na cidade com o objetivo de derrubar um Governo apoiado pelo Ocidente e impor um interpretação estrita do islão no país.

Apesar de nos últimos dois anos, forças da União Africana e da Somália terem conseguido expulsar o grupo das posições que mantinha na cidades, o Al Shabaab mantém bases em áreas rurais.

Este mês, a explosão de uma bomba num restaurante em Mogadíscio fez três mortos e um bombista-suicida que detonou um veículo com explosivos num posto de controle de segurança, próximo do aeroporto internacional da capital e a centenas de metros da base da operação de manutenção de paz da União Africana, fez também pelo menos três mortos noutro ataque.