Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ataque de jiadistas faz pelo menos 13 mortos em hotel da capital da Somália

Carros que se encontravam junto ao hotel ficaram destruídos

FEISAL OMAR/REUTERS

O ataque com um carro bomba foi seguido por combates no interior do hotel, onde deveriam estar hospedados deputados somalis, tendo depois ocorrido uma segunda explosão

Pelo menos 13 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas no ataque levado a cabo esta manhã por guerrilheiros do grupo jiadista Al Shabaab no hotel Dayah, em Mogadíscio, segundo indica a agência Reuters

“Pelo menos trezes pessoas, incluindo elementos das forças de segurança e civis, morreram em duas explosões no hotel”, afirmou o major Mohamed Ahmed, frisando que o número de vítimas poderá ser superior.

O ataque teve início com um carro bomba, tendo sido seguido pela entrada de guerrilheiros dentro do hotel e por uma segunda explosão. Dezenas de pessoas deveriam estar no hotel, entre as quais deputados somalis, refere a Associated Press. O hotel fica localizado próximo do Parlamento e da presidência.

“Mujahedin bem armados atacaram o hotel e agora estão a combater no interior do mesmo”, relatou a rádio somáli Anadlus, que está ligada ao Al Shabaab. O grupo reivindicou o ataque através da rádio.

“Disparos estão a ocorrer”, afirmara anteriormente à Reuters o major Ali Hussein, responsável policial presente no local, pouco antes de se ter ouvido a segunda explosão. Algumas lojas próximas, assim como carros, foram atingidos pelas explosões.

O Al Shabaab, que até até 2011 controlou a capital somáli e grande parte do país, costuma efetuar frequentes ataques com recurso a bombas e metralhadoras na cidade, alegando pretender derrubar um Governo apoiado pelo Ocidente e impor um interpretação estrita do islão no país.

Apesar de nos últimos dois anos, forças da União Africana e da Somália terem conseguido expulsar o grupo das posições que mantinha em cidades, o Al Shabaab mantém bases em áreas rurais.

Este mês, a explosão de uma bomba num restaurante em Mogadíscio fez três mortos e um bombista-suicida que detonou um veículo com explosivos num posto de controle de segurança, próximo do aeroporto internacional da capital e a centenas de metros da base da operação de manutenção de paz da União Africana, fez também pelo menos três mortos noutro ataque.