Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

PM holandês pede para cidadãos não integrados abandonarem o país

Jack Taylor/GETTY

Mark Rutte defendeu que a liberdade é um dos valores fundamentais da democracia que tem que ser preservado

Quando faltam menos de dois meses para as eleições legislativas, o primeiro-ministro holandês apelou ao respeito pelos valores do país e fez uma espécie de ultimato. Numa carta aberta divulgada esta terça-feira pela imprensa local, Mark Rutte afirmou que os cidadãos que não se integrarem devem abandonar a Holanda.

“As pessoas que se recusam a adaptar-se e criticam os nossos valores, devem comportar-se normalmente ou então devem sair do país”, pode ler-se na missiva.

Mark Rutte sublinhou que a liberdade é um dos valores fundamentais da democracia que tem que ser preservado. “Sentimos um crescente mal estar quando as pessoas abusam das nossas liberdades para estragar tudo, quando vieram para o nosso país pela liberdade”, acrescentou.

O governante deu como exemplo “pessoas que assediam gays, assombiam a mulheres de mini-saia ou classificam de racistas os holandeses comuns”.

As declarações do chefe do governo holandês visam conquistar o eleitorado do Partido para a Liberdade (PVV), que tem uma posição dura contra a imigração. Aliás, no mês passado o líder do PVV, Geert Wilders, foi condenado em tribunal por insultar e apelar à discriminação contra cidadãos marroquinos.

Os holandeses serão os primeiros cidadãos a votar este ano na Europa, com as legislativas agendadas para 15 de março, numa altura em que os movimentos populistas e de extrema-direita estão a conquistar mais espaço no velho continente. Aos 49 anos, Mark Rutte, do Partido Popular para a Liberdade e a Democracia, vai tentar alcançar um terceiro mandato, após ter sido eleito pela primeira vez em 2010.