Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polícia descobre três túneis escavados na prisão brasileira de Alcaçuz

Prisão de Alcaçuz

Ney Douglas/EPA

Os túneis visavam a fuga da prisão e encontravam-se inacabados, diz a polícia

A polícia brasileira Força Nacional encontrou três túneis escavados na penitenciária de Alcaçuz, no estado brasileiro do Rio Grande do Norte, entre domingo e segunda-feira.

Informam as autoridades, citadas pelo jornal brasileiro “Folha de São Paulo”, que um dos túneis estaria camuflado com ramos de árvores e um outro foi encontrado devido à chuva intensa registada durante o fim-de-semana que o tornou visível.

Todos os túneis já foram fechados pela polícia, adianta a Secretaria da Segurança, citada pelo jornal brasileiro.

As autoridades explicaram que os prisioneiros de Alcaçuz aproveitaram a chuva intensa para escavar túneis no chão amolecido. Esta prisão brasileira foi construída sob um terreno de areia, tornando-se, por isso, relativamente fácil para os presos cavarem túneis.

No entanto, as autoridades garantem, escreve a BBC, que a sua construção ainda não estava acabada e que, por esse motivo, não houve nenhuma fuga da prisão.

Depois de um motim que ocorreu há cerca de uma semana e provocou 26 mortos, a penitenciária de Alcaçuz, no estado do Rio Grande do Norte, no Brasil, tem vivido um clima intenso de violência.

Na tarde do passado dia 14 de janeiro, um motim na penitenciária provocou 26 mortos. É descrito como a rebelião mais violenta da história do Rio Grande do Norte. Pelo menos 15 prisioneiros foram decapitados. Para dominar a situação (que durou 14 horas) foi preciso a intervenção de equipas especiais.

Desde esse incidente que a penitenciária tem vivido um clima cada vez mais intenso de violência, com o registo de vários episódios.

A polícia militar está agora a construir com contentores uma barreira, com 12 metros de altura, entre alas de prisão ocupadas por gangues rivais, numa tentativa de os manter afastados.

Os funcionários sublinharam que esta medida é temporária e que, no futuro, será substituída por um muro, com cerca de 90 metros de comprimento, escreve a BBC.

A prisão de Alcaçuz tem capacidade para albergar 620 pessoas, no entanto, à data do tumulto, estaria a alojar 1150 presos. Desde o incidente, as autoridades procederam à transferência de 220 prisioneiros para outras prisões.

Desde o início do ano que a violência nas prisões tem aumentado no Brasil, registando-se já 120 mortos. Este pico de violência é atribuído ao cessar da trégua entre os dois gangues mais poderosos do país.