Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tomada de posse de Trump. “Tenho a sensação que vai ser um dia bonito”

Win McNamee / Getty Images

Donald Trump está prestes a tornar-se o 45.º Presidente dos EUA. Conheça aqui todos os detalhes da cerimónia oficial da tomada de posse, que decorre esta sexta-feira

Helena Bento

Jornalista

Donald Trump toma posse esta sexta-feira como o 45.º Presidente dos EUA, numa cerimónia pública que terá início às 11h30 locais (16h30 em Lisboa) e vai decorrer na escadaria da ala oeste do Capitólio, em Washington D.C.

Durante o dia, Trump e a sua família vão participar numa cerimónia religiosa na Igreja Episcopal de Saint John, perto da Casa Branca. O antigo e o futuro Presidentes dos EUA vão descer juntos a Pennsylvania Avenue e várias bandas vão desfilar e atuar para cerca de 900 mil pessoas, segundo números da organização.

O momento mais aguardado, porém, é o do juramento de Trump com a mão sobre dois exemplares da Bíblia, seguido de um discurso, o seu primeiro enquanto Presidente dos EUA.

Cerimónias começaram já na quinta-feira

Na verdade, a cerimónia da tomada de posse começou já esta quinta-feira; Donald Trump e o vice-presidente eleito Mike Pence deslocaram-se cerca das 15h locais (20h em Lisboa) ao emblemático Cemitério Nacional de Arlington, no estado da Virgínia, para depositar, conforme é tradição, uma coroa de flores junto ao túmulo do Soldado Desconhecido, um monumento dedicado a todos os soldados que morreram em combate, ao serviço dos EUA.

Seguiu-se uma cerimónia de boas-vindas no memorial a Abraham Lincoln, em Washington D.C., com concertos do cantor de música country Toby Keith e da banda Three Doors Down, tendo ainda Donald Trump improvisado um discurso em que repetiu alguns dos seus principais chavões, como o tão proferido slogan “Make America great again (“Vamos tornar a América grande de novo”), e relembrou os últimos meses de campanha eleitoral pelo país, com comícios onde “não havia uma única cadeira vazia, tal como hoje à noite”. “No último mês de campanha… todos nós sabíamos que alguma coisa especial estava a acontecer. As sondagens começavam a dar-nos como favoritos, mas eles não quiseram saber. Porque eles esqueceram-se, e muito, de nós. Mas vocês não voltarão a ser esquecidos”, afirmou Trump, agradecendo depois a todos aqueles que o apoiam e deixando promessas, as mesmas que fez inúmeras vezes durante a campanha para as eleições presidenciais, de que tudo fará para “devolver aos norte-americanos os empregos que os outros países lhes tiraram”.

Antes de terminar, Donald Trump, que chegou ao memorial acompanhado pela mulher Melania e pelos seus filhos, afirmou: “Vejo-vos amanhã. Tenho a sensação que vai ser um dia bonito”.

Trump e Barack Obama vão descer juntos a Pennsylvania Avenue

Esta sexta-feira, quando em Portugal forem 13h30 (8h30 em Washington D.C.), Donald Trump e a sua família vão estar na Igreja Episcopal de Saint John, a poucos passos da Casa Branca, a participar numa cerimónia religiosa, após um pequeno-almoço oferecido pelo futuro Presidente a um grupo de convidados.

Trump e Barack Obama vão encontrar-se depois e descer juntos a Pennsylvania Avenue, que liga a Casa Branca ao Capitólio. A cerimónia oficial da tomada de posse tem início às 11h30 locais (16h30 em Lisboa) e vai decorrer na escadaria da ala oeste do Capitólio.

O momento mais aguardado do dia é mesmo o primeiro discurso de Trump enquanto Presidente dos EUA, já depois do seu juramento, que será feito às 17h portuguesas.

O juramento e o muito aguardado discurso de Trump

Donald Trump fará o juramento perante o juiz John G. Roberts, com a mão esquerda sobre dois exemplares da Bíblia (uma tradição desde a fundação do país): a sua, que guarda desde criança, e a que pertenceu ao Presidente Abraham Lincoln e está guardada na biblioteca do Congresso (“Lincoln Bible”).

As suas palavras serão as seguintes, segundo prevê a Constituição norte-americana para o juramento da tomada de posse do Presidente: “I do solemnly swear that I will faithfully execute the Office of President of the United States, and will to the best of my ability, preserve, protect and defend the Constitution of the United States”. Em português: “Eu [Donald Trump] prometo solenemente que cumprirei fielmente as funções de Presidente dos Estados Unidos e farei o melhor que estiver ao meu alcance para preservar, proteger e defender a Constituição dos Estados Unidos”.

Também Mike Pence fará o seu juramento como vice-presidente, perante o juiz Clarence Thomas, do Supremo Tribunal de Justiça. Ouvir-se-á depois o hino presidencial “Hail to the Chief” e Trump fará, então, o aguardado discurso enquanto Presidente dos EUA, que, se seguir o exemplo de Barack Obama em 2008, terá a duração de cerca de 20 minutos.

De acordo o “Político”, Trump deverá focar-se nos problemas estruturais do país e na agenda para os primeiros 100 dias de Governo. A assistir à cerimónia vão estar alguns ex-Presidentes como Jimmy Carter, que foi o primeiro a confirmar a sua presença, e George W. Bush (o seu pai não estará presente, por razões de saúde). O antigo vice-presidente Dick Cheney também irá comparecer à cerimónia, assim como o casal Clinton e o casal Obama.

Almoço no Capitólio e parada inaugural

Depois do discurso inaugural, Trump, Mike Pence e os membros da equipa presidencial vão juntar-se, com um grupo de convidados, num almoço no Capitólio, que deverá prolongar-se até ao início da tarde (ou da noite, de acordo com a hora portuguesa) e contará com atuações musicais. Além do cantor de música country Toby Keith e da banda Three Doors Down, estão confirmadas para esta sexta-feira atuações de Jackie Evancho (conhecida do público americano do programa de televisão American's Got Talent), The Mormon Tabernacle Choir, The Rockettes, Sam Moore, Lee Greenwood e The Piano Guys, entre outros grupos musicais.

O recém-empossado Presidente procederá, pela primeira vez, à revista das tropas. Ele e Pence vão liderar depois a também muito aguardada parada inaugural na Pennsylvania Avenue, que tem início às 15h (20h em Lisboa) e na qual vão desfilar bandas de escola, militares, agentes da polícia e grupos cívicos. A noite termina com três bailes, dois oficiais, no centro de convenções Walter E. Washington, e um outro para as forças armadas, a partir das 19h (meia-noite em Lisboa). É esperada a presença de Donald Trump nos três bailes para um pé de dança com a sua Melania Trump.

  • Trump e a “ameaça nuclear”. O que é que aí vem?

    Entre declarações mais ou menos vagas e mais ou menos contraditórias, Donald Trump disse que os EUA deveriam expandir o seu arsenal nuclear. Mas porquê? Há quem concorde com o futuro Presidente e defenda que o país tem de estar preparado face à “ameaça nuclear” da Rússia, mas há também quem acredite que um reforço do arsenal nuclear poderá levar outros países a fazerem o mesmo, devido ao chamado “efeito-dominó”. Outros há, ainda, que nem sequer reconhecem na Rússia de Putin o inimigo nuclear que muitos apontam. O Expresso falou com três especialistas sobre este tema

  • Trump ‘andou’ por Braga

    Durante dois dias, 40 especialistas e investigadores oriundos de 15 países reuniram-se para debater, na Universidade do Minho, a Mentira e Hipocrisia na Política e Vida Moral ao longo dos tempos. Na era da ‘Pós-Verdade’, a escolha do uso da mentira na política como tema não podia ser mais atual. Trump, paladino da banalização da mentira à revelia dos factos, ‘andou’ por Braga