Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama: “Isto não é um ponto final, é uma vírgula na história contínua da América”

POOL/ Reuters

O ex-presidente despediu-se dos membros da sua equipa na Casa Branca. Agradeceu o apoio ao longo de todos oito anos: “isto não foi sobre nós, foi sempre sobre vocês”

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama despediu-se esta sexta-feira da sua equipa agradecendo o apoio que lhe deram e assegurando que o fim da sua presidência “é uma vírgula” na história dos EUA.

“Isto não é um ponto final, é uma vírgula na história contínua da América”, disse Obama, falando para membros da sua equipa na Casa Branca na base área de Andrews, após o final da cerimónia de tomada de posse do seu sucessor, Donald Trump.

Na breve alocução, Obama afirmou ter começado a presidência com uma "fé inabalável" no povo americano e na sua "capacidade para mudar o país".

"Ao longo deste processo, eu e a Michelle fomos apenas o homem e a mulher da frente, fomos apenas a vossa cara e a vossa voz. Mas isto não foi sobre nós, foi sempre sobre vocês. Todas as coisas maravilhosas que aconteceram nos últimos dez anos foram todas sobre vós", disse.

Barack Obama agradeceu em particular a membros da equipa e apoiantes pelo contributo para que fosse eleito, e reeleito, aqueles que "decidiram acreditar": "Bateram a portas e fizeram telefonemas e falaram com quem nem sabia pronunciar Barack Obama".

  • Obama ficou a 41 presos de fechar Guantánamo

    Na última semana em funções, numa verdadeira corrida contra o tempo, Barack Obama transferiu 14 presos de Guantánamo. Na véspera de deixar a Casa Branca, escreveu uma carta ao Congresso, acusando-o de falta de apoio para fechar o polémico centro de detenção

  • Obama despe o fato de Presidente e agradece aos jornalistas. Os jornalistas agradecem a Trump

    Na sua última conferência de imprensa, Obama voltou a prometer que não vai ficar em silêncio se sentir que há direitos fundamentais sob ameaça e declarou ao corpo de imprensa que “a América e a democracia precisam de vocês”. Esta sexta-feira, Donald J. Trump sucede-lhe e traz com ele um futuro incerto mas que deixa antever uma relação difícil com os media “do sistema”. “O que poderia ajudar era haver menos reações histéricas aos tweets de Trump e uma cobertura mais calma e sóbria dos assuntos”