Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Já foram resgatados os oito sobreviventes do hotel soterrado em Itália

Bombeiros ajudam a retirar um dos oito sobreviventes

Vigili del Fuoco / Reuters

Seis dos oito sobreviventes – onde se incluem duas meninas de 5 e 6 anos – foram encontrados numa bolsa de ar na cozinha do hotel, soterrado desde quarta-feira à noite numa estância de esqui na região italiana de Abruzzo

Foram já resgatados os oito sobreviventes encontrados esta sexta-feira pelas equipas de socorro em Farindola, entre os escombros do hotel soterrado por uma avalanche. O grupo incluia duas crianças pequenas, com idades entre os 5 e 6 anos. Uma delas estava com a mãe, escreve o “La Stampa”, precisando que ambas foram transportadas de helicóptero para o hospital, estáveis, ainda que o estado da menina inspira maior preocupação.

Segundo a France Presse, que cita fonte policial, seis elementos do grupo estavam na cozinha do hotel e o primeiro contacto foi estabelecido cerca das 11h (hora local, menos uma em Lisboa). Não foram revelados pormenores sobre o local onde estavam os outros dois sobreviventes.

Marco Bini, um dos responsáveis pelos socorristas da polícia italiana, revelou aos jornalistas como a sua equipa chegou junto dos sobreviventes: "No interior do hotel demos conta de que havia zonas com fumo entre os escombros. Se há fumo há fogo, logo há pessoas vivas e tentámos perceber de onde vinha esse fumo", disse.

"Acabámos por encontrar seis pessoas na cozinha do hotel, entre as quais uma mãe e a filha, que estavam aparentemente bem, embora com muito frio", adiantou o mesmo responsávvel. sem referir onde estavam as duas outras pessoas encontradas.

"O fogo também consome oxigénio, por isso foi ums sorte encontrá-los a tempo. Ouviam-nos trabalhar, sabiem que estavamos a caminho e foram resistindo. Quando nos viram chegar, nos rostos de todos eles percebeu-se que estavam como que a nascer de novo", disse, .

Esta descoberta reforçou o ânimo dos socorristas em encontrar mais sobreviventes, sendo que continuam desaparecidas cerca de vinte pessoas. "A nossa esperança é que possam estar recolhidas noutras possíveis bolsas de ar que haja por entre os escombros e que a neve os possa abrigar de algum modo, como se estivessem num igloo. Por agora, a planta do hotel de nada serve, porque com a derrocada "o interior está todo elterado e trabalhamos às cegas", revelou o mesmo responsável da equipa de socorro.

Dois helicópteros médicos, um da Marinha e outro dos bombeiros, foram deslocados para o local, onde prosseguem as operações de busca dos restantes desaparecidos, conforme adiantou a secretária de Estado adjunta de Justiça, Federica Chiavaroli.

"Há que considerar que o hotel está irreconhecível, mesmo para quem o conhecia e, por isso, é muto difícil", explicou.

Os oito sobreviventes retirados dos escombros juntam-se aos dois resgatados quando as equipas de socorro chegaram ao local, que, no momento da avalanche, estavam fora do hotel e se refugiaram dentro de um automóvel.

Três dezenas de pessoas foram dadas como desaparecidas na sequência do colapso, na quarta-feira, do hotel de montanha Rigopiano, perto de Farindola, na região dos Abruzos, que se seguiu aos quatro sismos registados nesse mesmo dia, em Itália.

Dois corpos foram encontrados pelas equipas de socorro, que conseguiram chegar à zona graças ao uso de fortes turbinas que iam soprando a camada de neve da estrada de acesso ao hotel, que chegava a ter três metros de altura.

[Texto atualizado às 14h17]