Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tropas senelagesas na Gâmbia para obrigarem Jammeh a passar poder a novo PR

AFOLABI SOTUNDE/ Reuters

O início das operações militares na Gâmbia foi anunciado pouco depois do fim da cerimónia de juramento do novo presidente da Gâmbia, Adama Barrow, realizada na embaixador da Gâmbia em Dakar.

As tropas senegalesas estacionadas na fronteira com a Gâmbia iniciaram esta quinta-feira à tarde uma operação para obrigarem Yahya Jammeh a ceder o poder ao novo Presidente eleito, Adama Barrow, anunciou um porta-voz do Exército.

"Entraram hoje à tarde", disse à agência France Presse (AFP) o porta-voz do Exército senegalês, coronel Abdoul Ndiaye, quando questionado sobre se os militares senegaleses já tinham passado a fronteira.

Em Casamansa, no sul do Senegal, ouviram-se disparos durante a tarde, provenientes de várias aldeias próximas da fronteira com a Gâmbia, segundo um correspondente da AFP.

Os confrontos opuseram também soldados senegaleses e supostos rebeldes do Movimento das Forças Democráticas de Casamansa (MFDC) noutras aldeias nas proximidades, disseram testemunhas à AFP.

O MFDC luta desde 1982 pela independência de Casamansa, que é considerada favorável ao regime do Presidente Jammeh.

O início das operações militares na Gâmbia foi anunciado pouco depois do fim da cerimónia de juramento do novo presidente da Gâmbia, Adama Barrow, realizada na embaixador da Gâmbia em Dakar. A cerimónia obteve os votos unânimes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

A CEDEAO, que pressionou o Presidente Jammeh a abandonar o cargo, alertara que este poderia recorrer à força para se manter no poder.

As operações das tropas senegalesas na Gâmbia são apoiadas pela Nigéria, que anunciou esta quinta-feira à tarde ter efetuado voos de reconhecimento sobre Banjul, capital da Gâmbia, sublinhando que ia fazer cumprir a vontade da CEDEAO.

O Gana também anunciou ter posto 205 militares ao dispor da CEDEAO.

Yahya Jammeh dirige, desde 1994, a Gâmbia, um pequeno país anglófono da África Ocidental com menos de dois milhões de habitantes, rodeado pelo Senegal à exceção da sua costa atlântica.

O Conselho de Segurança da ONU apoiou esta quinta-feira, por unanimidade, as iniciativas da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para retirar o presidente Yahya Jammeh do poder.

Uma resolução preparada pelo Senegal obteve o apoio dos 15 membros do Conselho, incluindo a Rússia, que ressalvou, no entanto, que o texto não autoriza formalmente uma intervenção militar na Gâmbia.

A CEDEAO tomou várias medidas no sentido de que Yahya Jammeh respeitasse o resultado das eleições de 01 de dezembro último que ditaram a vitória de Adama Barrow, mas o presidente Jammeh agarrou-se ao poder que detém há 22 anos.

  • Novo Presidente gambiano toma posse no Senegal

    Obrigado a fugir para o Senegal, o recém-eleito Presidente Adama Barrow toma posse na sua embaixada em Dakar. Uma força militar da CEDEAO prepara-se para entrar na Gâmbia e obrigar o Presidente cessante Yahya Jammeha a deixar o cargo