Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Snowden autorizado a ficar mais três anos na Rússia

GETTY IMAGES

Moscovo nega que irá entregar o ex-analista da NSA aos Estados Unidos após Trump assumir posse, considerando que isso seria uma “traição”

Edward Snowden vai poder ficar mais tempo na Rússia. A ministra dos Negócios Estrangeiros russa, Maria Zakharova, anunciou esta terça-feira a prorrogação por três anos da autorização de permanência do ex-consultor da Agência de Segurança Nacional.

O anúncio da MNE russa surge depois de o ex-subdiretor da CIA, Michael Morell, ter escrito um artigo onde defendia que a extradição de Snowden poderia ser o “presente perfeito” de Putin na tomada de posse do novo Presidente norte-americano.

Em resposta, Maria Zakharova recusou que a Rússia irá entregar o ex-analista da NSA aos Estados Unidos, considerando que isso seria uma traição. “O que este ex-responsável da CIA está a sugerir é a ideologia da traição. Assim, o Sr. Morell, está a mostrar que para a sua agência é normal oferecer pessoas como presentes e desistir daqueles que procuram proteção”, acrescentou.

A declaração da governante russa contraria a hipótese de que Putin poderá aceitar extraditar o ex-analista da NSA, quando Trump assumir a Presidência dos EUA.

A prorrogação da autorização de permanência de Snowden da Rússia foi conhecida no mesmo dia em que Barack Obama anunciou a comutação da pena de Chelsea Manning, militar norte-americana que divulgou à Wikileaks 700 mil documentos confidenciais.

“Obrigado, Obama”

Snowden não demorou a reagir, elogiando a ação de Chelsea e a decisão do Presidente norte-americano no final do seu mandato. “Em cinco meses, você estará livre. Obrigado pelo que fez por todos, Chelsea. Que seja dito aqui com seriedade, com bom coração: Obrigado, Obama.”

O porta-voz da Casa Branca já admitia na sexta-feira passada que Obama poderia perdoar Chelsea Manning, realçando as diferenças face ao caso de Snowden. “Os atos de Chelsea foram graves para a segurança nacional, mas os de Snowden foram muito mais graves e muito mais perigosos. Outra diferença é que Chelsea foi condenada e reconheceu a gravidade dos seus atos, já Snowden fugiu e refugiou-se num país que tentou minar a confiança da nossa democracia”, declarou Josh Earnest em conferência de imprensa.

Foi em 2013 que o ex-analista da NSA divulgou milhares de documentos sobre a vigilância feita pelos EUA a dados privados dos cidadãos, após os atentados do 11 de setembro. Em junho, Snowden viajou de Hong Kong até Moscovo, onde passou cinco semanas no aeroporto até lhe ser concedida uma autorização de residência de três anos. Desde essa altura, encontra-se a viver na Rússia, em local desconhecido, por questões de segurança.