Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sismos em Itália não provocaram vítimas

O centro do país voltou esta quarta-feira de manhã a sofrer três fortes abalos que atingiram Roma e Amatrice, a cidade onde o sismo de agosto do ano passado causou 300 mortos

“Felizmente, parece que não houve mortes”, afirmou o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, comentando os três fortes sismos que voltaram esta quarta-feira de manhã a abalar o centro de Itália,

O primeiro sismo, com magnitude de 5,3 na escala de Richter, ocorreu às 10h25; o segundo que atingiu os 5,7, teve lugar cerca de 50 minutos depois; o terceiro, de 5,3, ocorreu cerca de dez minutos mais tarde.

“É um dia difícil para Itália”, comentou o chefe de Governo italiano, falando em Berlim numa conferência imprensa conjunta com a chanceler Angela Merkel, com quem estivera reunido.

O epicentro teve lugar a cerca de 100 quilómetros do nordeste de Roma. Edifícios da capital italiana tremeram e o metro foi encerrado como medida de precaução, assim como as escolas.

Habitantes das zonas mais afetadas saíram para as ruas. “Está toda a gente na rua” apesar de “estar muito frio e ventoso”, relatou Lina Mecantini, de Ceselli, aldeia da região de Umbria, situada a cerca de 80 quilómetros de distância do epicentro. “É totalmente exasperante. Isto nunca mais acaba. Nós estamos todos a tremer”, acrescentou nas declarações citadas pela agência Reuters.

Desde agosto no ano passado a região foi afetada por 45 mil réplicas, entre as quais um sismo de magnitude 6,6 em outubro.

Os recentes abalos levaram a mudanças de terreno numa área de mais de 600 quilómetros quadrados, junto do epicentro chegou a registar-se uma descida do nível dos terrenos de até 70 centímetros.