Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

China prepara retaliação contra medidas de Trump

O Presidente chinês advertiu durante o Fórum Económico Mundial para as consequências de uma guerra comercial

DENIS BALIBOUSE/REUTERS

O Presidente chinês falou, em Davos, com o vice-presidente norte-americano sobre a necessidade de os dois países desenvolveram uma relação estável e de cooperação, mas enquanto isso o regime de Pequim estará já a preparar-se para fazer frente aos ‘Senhores que se Seguem’ em Washington

A China está a preparar-se para retaliar caso Donald Trump cumpra a promessa de aumentar os impostos para os artigos chineses importados, segundo referiu um grupo empresarial norte-americano à agência Associated Press.

Durante a campanha Trump ameaçou subir a taxa para 45%, uma promessa feita no sentido de satisfazer empresários norte-americanos que pretendiam que fossem tomadas de medidas contra a China face às barreiras que encontram para levarem os seus produtos para a China.

A mudança de atitude do novo regime norte-americano poderá gerar medidas de retaliação recíprocas entre os dois países. Uma situação contra a qual alertou aliás o Presidente Xi Jinping durante o discurso que proferiu na terça-feira em Davos, durante a abertura do Fórum Económico Mundial. “Ninguém sairá vencedor de uma guerra comercial”, afirmou o chefe de Estado chinês.

A China já está a avançar com penalizações especialmente pesadas para o dumping norte-americano na área dos químicos na agricultura dos Estados Unidos.

“A China ameaçou de facto fazê-lo e está a preparar-se para tomar medidas de retaliação” afirmou Lester Ross, membro da Câmara do Comércio Americana, durante uma conferência de imprensa.

Presente pela primeira-vez no fórum de Davos, o Presidente chinês esteve terça-feira reunido com o vice-presidente norte-americano, Joe Biden, numa conversa em que frisou que o mundo precisa de uma relação estável e de cooperação entre os dois países.

“As necessidades elementares dos povos de ambos os países e o mundo precisam que a China e os Estados Unidos trabalhem arduamente para, no longo-prazo, desenvolverem uma relação estável e cooperativa”, afirmou Xi Jinping.

O Presidente chinês considerou que durante a presidência de Barack Obama se deu um desenvolvimento “correto” desse relacionamento, tendo sido alcançados resultados positivos, nomeadamente na área do comércio.

O encontro com Biden ocorreu contudo a apenas dois dias da equipa da atual administração norte-americana cessar funções, com a concretização da tomada de posse do Presidente Donald Trump na sexta-feira.

Durante esta sua presença em Davos, o Presidente chinês irá reunir-se também Anthony Scaramucci, membro da equipa de Trump enviado ao Fórum Económico Mundial.

  • Estreante em Davos, Presidente chinês alerta contra os perigos de uma guerra comercial

    “Ninguém sairá vencedor de uma guerra comercial”, advertiu esta manhã em Davos, Suiça, o chefe de Estado chinês. A presença de Xi Jinping no Fórum Económico Mundial tem lugar depois dos esforços da anterior administração norte-americana para envolver a China numa cooperação multilateral, mas ocorre em plena mudança para a presidência de Trump, que terá uma posição de maior afastamento relativamente ao gigante asiático