Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Reino Unido prefere Brexit “por etapas” e vai controlar a imigração

Kirsty Wigglesworth / Reuters

Theresa May anunciou esta terça-feira que com a saída do bloco o seu país irá controlar a imigração oriunda da UE e abandonar o mercado único. “Quero que o Reino Unido seja um país verdadeiramente global", declarou a primeira-ministra britânica em Londres

A primeira-ministra britânica afirmou esta manhã que prefere que o processo de saída do Reino Unido da UE seja feito por etapas, para evitar uma mudança demasiado brusca. E anunciou que com a saída do bloco o seu país irá controlar a imigração oriunda da UE e abandonar o mercado único.

“Eu quero que este país saia deste período de mudança mais forte, justo, unido e mais virado para o exterior do que antes. Quero que o Reino Unido seja uma nação segura, próspera, tolerante e um íman para o talento internacional. Quero que este seja um país verdadeiramente global”, declarou Theresa May durante uma conferência de imprensa em Londres.

A governante britânica disse acreditar que será possível alcançar um acordo positivo com a UE, mas deixou um aviso para os parceiros europeus: “O Reino Unido quer continuar a ser um bom amigo e vizinho da Europa. Contudo, sei que há algumas vozes que estão a apelar a um acordo punitivo para o Reino Unido,que desencoraja outros países a seguirem o mesmo caminho [da saída da UE].”

“Nenhum acordo é melhor do que um mau acordo para o Reino Unido”, sinalizou.

Empresas terão liberdade para negociar

Admitindo que era impossível o país manter-se no mercado único europeu, May sustentou que o acordo deverá permitir o comércio mais livre possível de bens e serviços entre a Grã-Bretanha e os Estados-membros da UE. “O acordo deverá dar às empresas britânicas a máxima liberdade para negociar com o mercado europeu e permitir que as empresas europeias façam o mesmo na Grã-Bretanha.”

Referindo-se à história e aos valores europeus, a governante assegurou que o Brexit não significa que o Reino Unido se irá virar para si mesmo. “O resultado do referendo não foi uma decisão que nos leva a afastar do mundo, porque a história e cultura britânicas são profundamente internacionais. Somos um país europeu que temos orgulho da nossa herança partilhada”, sublinhou.

Garantiu ainda que os cidadãos europeus que residem no Reino Unido continuarão a ser bem-vindos no país, tal como espera que os cidadãos britânicos sejam bem-vindos noutros países da UE.

Numa mensagem dirigida indiretamente a Donald Trump, May explicou que o Reino Unido não tem qualquer interesse no desmembramento da UE. “Sei que isso – e as outras razões pelas quais o Rreino Unido optou pelo Brexit – nem sempre é bem compreendido entre os nossos amigos e aliados na Europa. E sei que muitos temem que isso possa ser o início de uma maior desintegração da UE. Mas deixem-me ser clara: eu não quero que isso aconteça. Não seria do melhor interesse da Grã-Bretanha”, assegurou.

Por último, May confirmou que o acordo final com a UE será votado em ambas a câmaras do Parlamento antes da sua entrada em vigor.