Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tiroteio em discoteca de Cancun faz pelo menos quatro mortos

Media locais dizem que ataque está relacionado com violência entre cartéis da droga. Autoridades ainda não comentaram oficialmente

Pelo menos quatro pessoas terão morrido num tiroteio numa discoteca de Cancun, no México, na última noite do festival BPM em Playa Del Carmen, na madrugada desta segunda-feira. Os media locais apontam entre quatro e cinco mortos e dizem que o tiroteio está relacionado com a violência entre cartéis da droga. As autoridades ainda não fizeram qualquer comentário oficial.

Jackmaster, um DJ escocês que integrava o cartaz do festival, foi um dos primeiros a avançar no Twitter que alguém entrou na discoteca Papagaio Azul e começou a disparar contra os presentes, causando entre quatro e cinco mortos e vários feridos. O DJ pediu aos festivaleiros que ficassem nos seus hotéis por questões de segurança.

"Estávamos no Papagaio Azul quando literalmente, a dois metros de nós, começaram a ser disparados tiros", relatou ao "The Independent" George de Menezes, uma das pessoas que estava na discoteca à hora do ataque.

"Ninguém levou [o som de tiros] a sério, mas eu soube de imediato que era uma arma e deitei-me no chão, e logo a seguir toda a gente se deitou comigo. A música parou e os tiros também, então levantei-me e um homem estava deitado no chão, parecia morto, outro tinha sido atingido mas estava a tentar manter-se de pé. Toda a gente tentou fugir para a praia mas de repente ouvimos outro tiro e baixámo-nos todos outra vez. Quando finalmente saí e cheguei à rua principal, havia outro homem morto na rua, e aí toda a gente começou a correr pela vida."

A mesma testemunha diz ter ouvido mais tiros já depois de ter chegado em segurança ao hotel, para além de haver rumores de mais tiroteios noutras discotecas da zona turística no sul de Cancun. "Não sabemos se foi um ataque terrorista ou outra coisa, mas fomos os primeiros a ir ao chão e a ver tudo desenrolar-se. Se ele [o atirador] nos tivesse visto, provavelmente estaríamos mortos."

As autoridades mexicanas ainda não comentaram oficialmente o acontecimento, mas os media locais apontam que o ataque se deveu a violência entre cartéis da droga e não a terrorismo.