Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Diretor da CIA avisa Trump para ter cuidado com o que diz

DON EMMERT/ AFP/ Getty Images

John Brennan está de saída do cargo e em entrevista à Fox News Sunday disse que Trump tem de moderar os tweets e os comentários que faz porque isso pode ter impacto no país e não apenas nele

Ana Baptista

Ana Baptista

Jornalista

O diretor da CIA, John Brennan, avisou o Presidente-eleito dos EUA, Donald Trump que tem de ter cuidado com o que diz e que deve moderar os comentários que faz no Twitter. Além disso, aconselhou-o a não levantar as sanções impostas pela administração Obama à Rússia.

"A espontaniedade não é algo que proteja a segurança nacional e, por isso, quando ele fala ou quando ele reaje, é bom que ele tenha a certeza das implicações do que diz e que o impacto nos EUA pode ser profundo", disse este domingo numa entrevista à Fox News Sunday.

Segundo avança a Reuters, Brennan - que está de saída do cargo - terá dito ainda que Trump precisa de ter noção dos comentários mais caústicos que costuma fazer, principalmente no Twitter e principalmente quando tomar posse no dia 20 de janeiro. "Isto não é só sobre Trump. É sobre os EUA", disse.

O diretor da CIA comentou ainda as tensões entre o Presidente-eleito e as agências de segurança, não só a CIA, mas também o FBI. Por exemplo, na semana passada, numa declaração no Twitter, Trump acusou as duas agências de práticas que faziam lembrar a Alemanha Nazi.

"O que eu considero um ultraje é igualar as agências de segurança à Alemanha Nazi. Isso deixa-me muito envergonhado", disse na mesma entrevista, questionando ainda que tipo de mensagem passa para o exterior quando o Presidente-eleito dos EUA diz que não confia nas agências de segurança do país.

Em causa estão já dois temas distintos. O primeiro está relacionado com a existência de relatórios que mostravam a intervenção da Rússia nas eleições e na vitória de Trump e o segundo refere-se a um relatório que reúne dados que os russos terão compilado contra o Presidente-eleito, que o próprio diz ter sido revelado pelas agências mesmo tratando-se de material confidencial.