Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump volta a atacar Clinton devido ao caso dos emails

MIKE SEGAR/REUTERS

No Twitter, o Presidente eleito dos EUA reiterou que a candidata democrata é culpada por ter utilizado um servidor de email privado

Depois da decisão do inspetor geral do Departamento de Justiça, Michael E. Horowitz, de investigar James Comey, diretor do FBI, sobre a forma como se processou a investigação ao caso dos emails de Hillary Clinton, e pela forma como agiu nos últimos dias da campanha, Donald Trump já reagiu pela via habitual – o Twitter. Esta sexta-feira, na sua conta da rede social, o Presidente eleito voltou a criticar a candidata democrata.

A investigação, anunciada esta quinta-feira, vai centrar-se no motivo que levou Comey a reabrir o caso dos emails 11 dias antes das eleições. Dias depois, Comey anunciou que não havia provas de que Clinton tinha cometido um crime e retirou as acusações sobre a candidata. No entanto, Clinton culpou Comey pela sua derrota nas eleições presidenciais.

Já o Presidente eleito afirmou esta sexta-feira que a candidata democrata perdeu porque “fez campanha nos estados errados”. Durante a campanha, Trump havia dito que a sua rival devia responder pelo seu comportamento criminoso. “Sobre o que é que o pessoal de Hillary Clinton está a protestar, com respeito ao FBI, se com base na informação que tinham sobre ela, [a candidata] nunca deveria ter sido permitida a concorrer – culpada como o inferno”, escreve no Twitter. Acrescenta ainda que o FBI “foi muito simpático” com Clinton.

A investigação que Horowitz vai fazer sobre o FBI não vai contemplar, no entanto, a decisão final sobre o assunto, apenas a forma como o caso foi processado, escreve o “Washington Post”.

Equipa de Trump está a preparar relatório sobre questão de pirataria

Também esta sexta-feira de manhã, Trump voltou a escrever sobre o dossiê de 35 páginas no qual um ex-agente secreto, reuniu informações junto de fontes russas sobre a estratégia do governo de Vladimir Putin para apoiar e controlar a candidatura de Trump à presidência norte-americana. Afirmou serem “acusações falsas”, feitas “por rivais políticos e um espião falhado, com medo de ser acusado”.

Novamente, o Presidente eleito referiu que eram “falsas notícias” sobre factos inventados por “políticos imorais, quer democratas, quer republicanos”. Acrescentou ainda que “a Rússia diz que nada existe” e a divulgação do documento pelos serviços secretos foi feita mesmo estes “sabendo que não havia provas e que nunca iria haver”.

Donald Trump reiterou também que “a sua equipa vai ter um relatório completo sobre a pirataria dentro de 90 dias”. Na conferência de imprensa de quarta-feira, o Presidente eleito já havia dito que queria um relatório sobre todos os tipos de pirataria, incluindo no setor de defesa e indústria, escreve a BBC.