Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ex-mayor de Nova Iorque nomeado por Trump conselheiro para a segurança cibernética

Drew Angerer/GETTY IMAGES

Ryudy Giuliani vai “partilhar a sua experiência” sobre "problemas de segurança do sector privado" para travar a “grande ameaça” da pirataria informática, refere um comunicado da equipa de Donald Trump

O ex-presidente do município de Nova Iorque, Ryudy Giuliani, foi nomeado esta quinta-feira por Donald Trump como seu conselheiro no sensível dossiê da segurança cibernética, em pleno escândalo da alegada "pirataria informática" da campanha eleitoral por Moscovo.

Apesar de reconhecer que a Rússia esteve envolvida na manipulação de correios eletrónicos do Partido Democrático, o futuro Presidente repetiu na conferência imprensa de quarta-feira que estes atos de "pirataria" informática também são efetuados por outros países e indivíduos, e em numerosos domínios para além da política.

Donald Trump indicou que vai solicitar às grandes empresas informáticas norte-americanas a publicação de um relatório nos próximos 90 dias sobre os meios de se protegerem face a esta ameaça.

O comunicado divulgado esta quinta-feira pela sua equipa de transição é vago sobre as responsabilidades exatas de Giuliani – 72 anos e um dos mais fervorosos apoiantes de Trump –, que foi procurador federal em Nova Iorque, depois "munícipe da América" após os atentados do 11 de setembro de 2001 antes de dirigir uma sociedade especializada em segurança e de se tornar conselheiro em segurança cibernética num importante gabinete de advogados.

Giuliani vai "partilhar a sua experiência" sobre "problemas de segurança do sector privado", cuja contribuição é necessária para conter "a grande ameaça" que representa a "pirataria" informática para a segurança nacional, acrescenta o texto.

O porta-voz de Trump, Sean Spicer, precisou no entanto que Guiliani vai presidir a um comité sobre a segurança cibernética.
O ex-responsável por Nova Iorque indicou aos jornalistas que pretendia "criar uma defesa cibernética muito robusta e muito dinâmica para o setor privado e para o governo", e que vai reunir os responsáveis do setor privado para aconselhar Trump sobre este dossiê.

"Deixámos que a nossa defesa se relaxasse", considerou. "Não sei se poderemos resolver o problema ou criar uma defesa perfeita, mas podemos fazer muito melhor que atualmente", acrescentou.

  • Trump responsabiliza Moscovo no caso de espionagem

    Na primeira conferência de imprensa de Donald Trump em cinco meses, o Presidente eleito dos EUA apontou o dedo à Rússia no caso da espionagem informática e garante que manter uma boa relação com a Rússia será uma vantagem. “Se Obama não gosta da Rússia não acho isso um trunfo, mas uma fraqueza. Se Putin gosta de Trump não acho isso uma desvantagem, mas uma vantagem”