Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Vagas de frio na Europa e de calor na Austrália

HAZIR REKA/REUTERS

Enquanto o Velho Continente está a ser atingido por uma vaga de frio polar, que já provocou 61 mortos, na Austrália tomam-se precauções face às temperaturas que nos próximos dias devem superar os 40 graus centigrados

A vaga de frio polar que está a atingir a Europa desde o fim da semana passado já provocou 61 mortos, um terço dos quais na Polónia, onde os termómetros desceram até aos 20 graus negativos – no caso da Roménia aos -32. Enquanto isso, no hemisfério sul os australianos preparam-se para lidar com o problema oposto, com as autoridades a alertarem as populações para as previsões de que as temperaturas possam ultrapassar os 40 graus nos próximos dias

No sul da Albânia, nevou pela primeira vez nos últimos 32 anos. Na cidade de Korca, um sem-abrigo foi encontrado morto. Terça-feira, mais seis pessoas morreram na Polónia. Entre segunda e terça, morreram três pessoas na Sérvia, entre as quais um idoso de 88 anos e o seu filho de 64, que foram descobertos sem vida na aldeia de Duga Poljana, no sul do país.

Durante o mesmo período, na Macedónia registaram-se também três mortes, entre as quais a de um sem-abrigo que foi encontrado congelado na capital. E na Roménia ocorreram “seis mortes devido a hipotermias” ao longo dos últimos seis dias.

O gelo levou também à suspensão da navegação no rio Danúbio, na Roménia, Croácia e Sérvia. Neste último país, foi também suspensa a circulação de embarcações no rio Sava.

Em Atenas, a Acrópole ficou coberta de neve e esta fenómeno e as baixas temperaturas obrigaram ao encerramento da maior parte das escolas na capital, onde mais de 10 instalações aquecidas para pessoa sem-abrigo permanecem abertas.

Ainda na Grécia e em sequência das criticas de agências humanitárias, as autoridades decidiram transferir para hotéis 250 pessoas que se encontravam em tendas no campo de refugiados de Lesbos e foi enviada para ilha um navio de guerra com capacidade para “receber 500 pessoas”.

“Denunciamos as condições de vida desumanas com que os refugiados estão a ser confrontados em Lesbos”, aponta uma associação de médicos dos hospitais públicos. “Eles estão a viver na lama e na neve, atulhados juntos em tendas não adequadas… e a acenderem fogos lá dentro para se aquecerem”, criticam ainda.

Entretanto, em Sidney e outros locais da Austrália as autoridades loxcais proibiram a realização de queimadas ou outro tipo de fogos devido ao elevado risco de incêndios perante temperaturas na ordem dos 40 graus registadas esta quarta-feira. Em alguns pontos dos estados australianos de Queensland e New South Wales, as previsões são de que o mercúrio nos termómetros possa subir aos 46 graus até quinta-feira.

As pessoas estão a ser aconselhadas a evitar a atividade física, assim como a exposição ao sol e a manterem-se bem hidratadas.