Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Merkel promete bloquear acesso do Reino Unido ao mercado único se livre circulação for suspensa

Declarações da chanceler alemã surgem dias depois de Theresa May ter dito, na sua primeira entrevista deste ano, que quer implementar controlos fronteiriços mas manter ao mesmo tempo “máxima liberdade” para as empresas britânicas na Europa

Angela Merkel voltou a deixar claro esta semana que o Reino Unido não vai continuar a integrar o mercado único europeu se acabar com a livre circulação de pessoas. Esta posição surge em resposta às declarações de Theresa May, numa entrevista à Sky News no passado fim de semana, na qual a primeira-ministra britânica disse que vai tentar negociar com Bruxelas um acordo para reintroduzir controlos fronteiriços mas, ao mesmo tempo, garantir "máxima liberdade" para as empresas britânicas a operar na Europa.

Em Colónia, a chanceler alemã disse esta terça-feira que o Reino Unido não pode "escolher a dedo" as melhores partes da União Europeia sem aceitar os termos básicos da adesão, uma que foi chumbada por 52% da população britânica chamada em junho a votar num referendo a saída do bloco regional. "Por outro lado", acrescentou Merkel aos jornalistas, "deixamos claro que o acesso ao mercado único só é possível na condição de se respeitarem as quatro liberdades básicas" desse espaço comum – a livre circulação de serviços, bens e capital, mas também de cidadãos europeus. "Caso contrário, teremos de discutir limites [no acesso ao mercado único]."

Na entrevista de domingo, May voltou a garantir que o Brexit vai mesmo avançar e que o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, o único mecanismo que prevê a saída de um Estado-membro da UE, inédita até hoje, vai ser ativado na primeira metade deste ano, sublinhando ainda que está investida em negociar um chamado hard Brexit.

Já na segunda-feira, a chefe do Executivo britânico disse que a sua visão tinha sido mal transmitida. Numa conferência de imprensa em Londres, onde foi questionada sobre a permanência no mercado único, May declarou: "O que eu disse ontem é o que tenho estado a dizer nos últimos meses sobre o Brexit, em particular que o voto a 23 de junho foi bastante claro."