Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Beppe Grillo já não quer fazer parte do bloco eurocético no Parlamento Europeu

ALESSANDRO DI MARCO / EPA

Fundador do MoVimento 5 Estrelas argumenta que membros do seu partido não partilham os valores do grupo Europa da Liberdade e da Democracia Direta porque um dos seus líderes, Nigel Farage, firmou a saída do Reino Unido da União Europeia. Farage avisa que Grillo vai perder apoios por causa disso

O fundador do partido populista italiano MoVimento 5 Estrelas pediu este fim-de-semana aos membros do seu movimento que votem pela saída do bloco de partidos eurocéticos do Parlamento Europeu o grupo Europa da Liberdade e da Democracia Direta (EFDD), que foi cofundado e que é coliderado pelo britânico Nigel Farage, ex-líder do Partido pela Independência do Reino Unido (UKIP).

Numa publicação no seu blogue, Beppe Grillo, o comediante tornado político cujo jovem partido alcançou estrondosas vitórias em Roma e Turim nas últimas eleições municipais italianas, argumenta que o facto de Farage ter levado o Reino Unido a votar pela saída da União Europeia torna incompatíveis os objetivos do EFDD e os do seu MoVimento.

"Eventos recentes na Europa, como o Brexit, levaram-nos a reconsiderar a natureza do grupo EFDD. Com o extraordinário sucesso da campanha pela saída, o UKIP alcançou o seu objetivo político: o de deixar a União Europeia. Vamos discutir os factos concretos: Farage já abandonou a liderança do seu partido e os eurodeputados britânicos vão sair do Parlamento Europeu na próxima legislatura. Até lá, os nossos colegas britânicos vão estar focados em preparar as escolhas que vão determinar o futuro político do Reino Unido."

Recorde-se que Grillo forjou uma aliança com Farage durante um almoço em Bruxelas logo a seguir às eleições europeias de 2014 para integrar o futuro EFDD, depois de o UKIP ter ficado em primeiro lugar nesse plebiscito e o MoVimento 5 Estrelas em segundo – alcançando 17 assentos no Parlamento Europeu quando, à data, só tinha cinco anos de existência e pouco ou nenhum currículo, o que serviu de plataforma para ganhar força dentro de Itália e também na Europa.

Na altura, ambos disseram que o grupo partidário europeu tinha como objetivo "restaurar a liberdade e as democracias nacionais", com Farage a acrescentar: "Aguardem de nós uma boa luta para reaver o controlo sobre os destinos dos nossos países."

Para acabar com essa aliança, e tirar o seu partido do EFDD, que integra ainda partidos de extrema-direita como o Alternativa para a Alemanha, Grillo convocou um referendo online para que os membros do MoVimento 5 Estrelas votem a proposta de o partido passar a integrar a Aliança de Liberais e Democratas para a Europa (ALDE), atualmente liderada por Guy Verhofstadt, ex-primeiro-ministro belga que a Comissão Europeia nomeou para chefiar as negociações do Brexit com o Governo britânico.

Se o MoVimento 5 Estrelas passar a integrar o ALDE, escreve Grillo, o grupo que já conta com 68 eurodeputados poderá tornar-se "a terceira força política do Parlamento Europeu". Grillo sempre pediu que Itália leve a referendo a permanência na moeda única mas nunca a saída da UE como o Reino Unido fez em junho de 2016.

No mesmo texto, o político italiano sublinha que o seu partido só esteve alinhado com o UKIP em votações no Parlamento Europeu 20% das vezes desde que o EFDD foi criado e refere que o MoVimento partilha com o ALDE os valores da "democracia direta, transparência, liberdade e honestidade". "Com o nosso voto, podemos fazer a diferença e influenciar o resultado de muitas decisões importantes para contrariar o establishment europeu", acrescenta Grillo na mesma publicação.

Em comunicado, Farage reagiu ao escrito dizendo que "em termos políticos, é completamente ilógico o Cinco Estrelas juntar-se ao grupo do Parlamento Europeu mais fanático pelo euro. O ALDE não apoia referendos ou o princípio básico da democracia direta e é também o maior defensor de um exército europeu. Suspeito que, se o Cinco Estrelas se juntar ao ALDE, os seus apoios [dentro de Itália] não vão durar muito."

Também em reação ao referendo oficioso convocado por Grillo, um porta-voz do UKIP disse em comunicado: "Tanto o UKIP como o Cinco Estrelas são livres de ficar ou de desistir de uma relação política. É interessante que alguns eurodeputados do Cinco Estrelas desejem ficar no grupo EFDD, mas enquando adultos desejamos-lhes o melhor independentemente do que fizerem."