Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Putin ordenou campanha para influenciar presidenciais EUA

ALEXEI DRUZHININ / SPUTNIK / KREMLIN POOL / POOL

A garantia é dada pelos serviços de informações norte-americanos. Segundo o realatório divulgado, entre as várias ações, destacam-se a pirataria aos e-mails do Comité Nacional Democrático, Hillary Clinton e John Podesta (diretor de campanha). Esta é a primeira alegação formal por parte do Governo dos EUA

O Presidente russo, Vladimir Putin, ordenou uma campanha clandestina para influenciar a eleição presidencial nos EUA, em favor de Donald Trump, garantiu na sexta-feira a comunidade dos serviços de informações norte-americanos.

Esta é a primeira alegação formal por parte do Governo dos EUA que suporta as acusações sensacionais a que Trump e os seus apoiantes têm resistido.

O relatório do diretor das Informações Nacionais, uma versão desclassificada de um documento mais detalhado que tinha sido entregue à Casa Branca, a Trump e aos líderes do Congresso, não adianta provas para suportar as alegações.

A versão desclassificada é até agora o documento público mais detalhado com os esforços russos para interferir no processo político norte-americano, com ações que incluem a pirataria das contas de correio eletrónico do Comité Nacional Democrático e de lideres democratas, como Hillary Clinton ou o seu presidente da campanha, John Podesta.

Os dirigentes russos também usaram propaganda financiada pelo Estado e pagaram a agitadores para fazer comentários indecentes e maldosos nas redes sociais, adiantou-se no documento.

Não há sugestões de que os russos tenham influenciado as máquinas de contagem de votos.

No documento, ligou-se, pela primeira vez, Putin às ações de pirataria, classificando-a como "o maior esforço" feito até agora para influenciar uma eleição nos EUA e sustentou-se que os russos forneceram emails à Wikileaks, algo que o fundador do sítio, Julian Assange, tem negado repetidamente.

O documento pode ser consultado AQUI.

.