Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“A liberdade de expressão é um problema enorme na Turquia”: Ece foi detida por comentário no Facebook

Ece Heper foi apanhada de surpresa. Tinha conduzido oito horas para ajudar um amigo, quando foi detida pelas autoridades turcas. Não se sabe quando tempo mais terá de esperar para ser julgada. Se for condenada, pode ficar até quatro anos atrás das grades

Em meados de novembro, Ece Heper, 50 anos, chegou à Turquia. Fixou-se em Mardim, no sul. Tem nacionalidade turca e canadiana. Agora, foi detida, alegadamente por ter criticado o Presidente Recep Erdogan no Facebook. Em causa estará uma publicação em que acusa o governo de Ancara de prender os jornalistas que apresentam provas do envolvimento da Turquia com o autoproclamado Estado Islâmico (Daesh).

“Ela é intensa e opinativa. Mas, neste momento, por lá é tudo muito intenso, especialmente na crítica ao Governo”, referiu Birgitta Pavic, amiga de Ece, citada pela “Canada Press”.

No último ano, a vida de Ece Heper tem sido passada em constantes viagens: do Canadá para a Turquia; da Turquia para o Canadá. Os pais já morreram. A única família que lhe resta é um irmão, mas não mantêm relação. Há relativamente pouco tempo fez quimioterapia e toma medicação diariamente.

Entre as idas e vindas, acabou por fazer amizade com um homem no sul do país, junto à fronteira com a Síria. Pouco se sabe sobre este amigo, apenas que estava exilado e a viver na região curda da Síria e que, em setembro, quando tentou entrar na Turquia, foi detido e preso sob suspeita de pertencer ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla original). “Ela interessa-se realmente pelos problemas dos curdos”, contou outra amiga, Emrah Bayram, citada pela BBC.

A 30 de dezembro, Ece Heper saiu de casa, em Mardin, no sul da Turquia e conduziu por quase oito horas. O destino era Kars, no norte do país. Ia buscar a mulher do amigo e levá-la a visitá-lo na prisão. Eram 10h (hora local), quando chegou a casa da amiga e tinha à espera a polícia turca. Foi de imediato detida, alegadamente por criticar o Presidente turco nas redes sociais.

“A liberdade de expressão é um problema enorme na Turquia. Mas isto não faz qualquer sentido, esta coisa de insultar o Presidente”, acrescentou Emrah Bayram, citada pela BBC.

Quem a conhece teme que esteja a ser privada da medicação. As autoridades canadianas já estão a acompanhar o caso e asseguraram que todo o apoio está a ser prestado.

Não se sabe ao certo o que acontecerá a Ece Heper. Olhando para os últimos anos, já foram abertas cerca de duas mil investigações relacionadas com insultos ao Presidente turco, incluindo uma à antiga miss Turquia e a um estudante de 16 anos.

Até ir a julgamento, podem passar meses. Se for condenada, segundo a lei turca, poderá ficar presa até quatro anos.