Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nevoeiro obrigou a cancelar agenda de Juncker em Lisboa

ERIC VIDAL / Reuters

Sessão pública do presidente da Comissão Europeia em Lisboa, no âmbito do Seminário Diplomático, agendada para esta tarde, foi cancelada devido nevoeiro que afetou Lisboa. A audiência de Jean-Claude Jüncker com o Presidente da República, em Belém, também foi cancelada

Helena Bento

Jornalista

A deslocação de Jean-Claude Jüncker a Lisboa, esta quinta-feira, foi cancelada e a sessão pública, prevista para esta tarde, às 15h, no âmbito do Seminário Diplomático, não terá lugar, devido a “constrangimentos meteorológicos”, informa em comunicado o Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O nevoeiro que esta manhã afetou o aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, obrigando ao cancelamento e desvio de diversos voos, também fez cancelar a audiência de Marcelo Rebelo de Sousa com o presidente da Comissão Europeia, que estava prevista para as 11h30 no Palácio de Belém.

Esta seria a segunda deslocação a Portugal de Juncker como presidente da Comissão Europeia. O luxemburguês esteve na capital em março de 2016, para assistir à cerimónia de tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa.

O seminário diplomático, iniciativa anual do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), ficou assim reduzido a um dia. Na sessão de abertura, realizada esta quarta-feira no Museu do Oriente, intervierem Carlos Moedas, comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, e o ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva.

No ano passado, o orador convidado pelo Governo português para a abertura do encontro foi António Guterres, que terminara no final de 2015 o seu segundo mandato como alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

  • Dois voos foram cancelados e outros cinco desviados para Faro e Porto, devido às limitações de visibilidade verificadas esta manhã no aeroporto Humberto Delgado

  • Carlos Moedas: encarar o medo ajuda a “explicar a globalização”

    É preciso “civilizar a globalização para combater o medo”, disse o comissário europeu Carlos Moedas. A luta contra o medo que insiste “em tomar conta de tudo” é um dos maiores “desafios que temos de enfrentar em 2017”. O outro, é Portugal assumir um lugar de liderança num “mundo em transformação”