Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ex-primeiro-ministro do Kosovo preso em França

Ramush Haradinaj, numa foto de 2012, durante o seu julgamento no Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia, em Haia

© Koen van Weel / Reuters

O antigo primeiro-ministro do Kosovo, Ramush Haradinaj, foi detido esta quinta-feira pela polícia francesa por alegados crimes de guerra

Ramush Haradinaj, que liderou o Exército de Libertação do Kosovo (ELK) durante a Guerra do Kosovo (1998-1999), foi preso pela polícia francesa. A detenção foi realizada na sequência de um mandado de prisão emitido pela Sérvia em 2004 por alegados crimes de guerra, avançou esta quinta-feira a BBC.

Segundo a agência noticiosa russa Sputnik, a Sérvia alega que os crimes ocorreram quando Ramush Haradinaj era líder do ELK, acusando-o de supervisionar e participar em dezenas de torturas e mortes de cidadãos sérvios.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros considerou a detenção de Haradinaj inaceitável, estando já a preparar a sua defesa, ao que a Sérvia respondeu dizendo que, nesse caso, pede a extradição.

De acordo com fontes oficiais francesas, o pedido de extradição da Sérvia só será aceite se não tiver como base razões políticas.

O ex-primeiro-ministro do Kosovo foi detido pela polícia no aeroporto Basel-Mulhouse-Freiburg, no leste de França, perto da frontreira com a Suíça e a Alemanha.

O primeiro-ministro sérvio, Alexander Vucic, afirmou haver inúmeras provas incriminatórias contra Haradinaj e pediu que a França se centre na justiça e não nas questões políticas.

Haradinaj já tinha sido julgado por estes crimes, mas foi sempre absolvido. A primeira absolvição, a 3 de abril de 2008, foi declarada após a morte de todas as pessoas que testemunhavam contra o ex-primeiro-ministro. Também em 2012, foi detido na Eslovénia, mas pouco tempo depois libertado. No julgamento mais recente, em 2012, o juíz absolveu-o, referindo não haver qualquer prova que justificasse as acusações.

O Kosovo tornou-se independente da Sérvia em 2008. Belgrado nunca o reconheceu.